Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 10 de julho de 2018.
Dia da Pizza.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Solidariedade

Notícia da edição impressa de 09/07/2018. Alterada em 10/07 às 19h16min

Pão dos Pobres quer incentivar doações

Em 2018, 2.320 pessoas se inscreveram para as 120 vagas nos cursos

Em 2018, 2.320 pessoas se inscreveram para as 120 vagas nos cursos


CLAITON DORNELLES/JC
Igor Natusch
Para exemplificar a importância da Fundação O Pão dos Pobres de Santo Antônio, de Porto Alegre, na vida de cerca de 1,4 mil crianças e adolescentes, o atual diretor da entidade, João Rocha, cita um caso significativo, ocorrido há alguns anos. Matriculado em um dos cursos do Centro de Educação Profissional (CEP) para adolescentes e jovens em situação de vulnerabilidade, um jovem aprendiz chegava atrasado todos os dias. A aparente falta de comprometimento começou a colocar sua bolsa em risco, o que forçou uma conversa com os coordenadores.
Questionado sobre os atrasos, o aluno abriu o jogo: morador do bairro Humaitá, ele cedia o vale-transporte que recebia para a avó, que vende doces no Centro de Porto Alegre. "Ele saía da aula todos os dias, por volta do meio-dia, e vinha caminhando até aqui, sem almoçar. Não surpreende que chegasse sempre atrasado", lembra Rocha. "Não era algo correto (ceder o cartão), mas era feito com uma boa intenção, para ajudar a família. E ele se interessava pelo curso, tanto que fazia esse esforço para estar aqui."
Oferecidas gratuitamente, atividades como os cursos do CEP são custeadas a partir de convênios públicos e de colaborações de empresas e da sociedade civil. Há, também, uma entrada de recursos a partir da locação de imóveis doados ao Pão dos Pobres no passado, mas muitos desses edifícios são antigos, o que faz com que cerca de 40% deles não encontre interessados.
Com o cinto apertado, a gestão promove uma campanha para sensibilizar a sociedade, realçando modalidades de doação como o Funcriança, que abate as doações do Imposto de Renda. Para pessoas físicas, as doações são realizadas por meio da Declaração de Ajuste Anual dos que optam pelo modo completo de preenchimento, e podem gerar dedução de até 6% do valor devido.
Para as instituições jurídicas, o limite é de 1% - valores que já podem dar um considerável respiro aos cofres da instituição. Segundo o Sistema de Doações Web da Prefeitura de Porto Alegre, o Pão dos Pobres atingiu, até o começo de junho, pouco menos de R$ 848 mil do total projetado para custear as atividades, de quase R$ 6 milhões.
Hoje, cerca de 600 aprendizes do CEP desenvolvem aptidões em atividades como marcenaria, serralheria, desenvolvedor web, manutenção de computadores e gastronomia, entre outras. Como há uma política de privilegiar jovens que já estão sendo atendidos pelo Pão dos Pobres, as vagas abertas acabam sendo limitadas, e a demanda pelos cursos é bem maior que a oferta. De acordo com Rocha, foram oferecidas em torno de 120 vagas para as turmas deste ano, e nada menos que 2.320 pessoas se inscreveram.
Fundado em 1895, o Pão dos Pobres conta, também, com seis unidades de abrigo, destinadas a jovens que, por determinação judicial, foram afastados de suas famílias, e com o Programa de Oportunidades e Direitos Socioeducativo (POD), voltado a egressos da Fundação de Atendimento Socioeducativo (Fase). Outro desdobramento das atividades é o Centro de Atendimento Integral, que desenvolve dois programas - Cidade Escola e Serviço de Convivência e Fortalecimento de Vínculos, ambos em convênio com a prefeitura. O atendimento é oferecido no turno inverso das aulas e atende, hoje, 240 crianças e adolescentes que residem em áreas violentas na cidade.
Além da inscrição no Funcriança, é possível fazer doações em dinheiro diretamente à fundação, ou colaborar com alimentos ou bens materiais. O Pão dos Pobres é uma das entidades beneficiadas no programa Nota Fiscal Gaúcha, e também promove seleção para voluntários. Quem quiser apoiar pode buscar informações pelos telefones (51) 3433-6921 e (51) 3433-6902, ou pelo e-mail relacaoinstitucional@paodospobres.org.br.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
GENESIO PEDRO BONDAN 09/07/2018 09h25min
uma entidade de tão grande gabarito deverá ser auxiliada por todos