Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 23 de novembro de 2016. Atualizado às 23h03.

Jornal do Comércio

Esportes

COMENTAR | CORRIGIR

copa sul-americana

Alterada em 24/11 às 00h03min

Chapecoense empata sem gols com o San Lorenzo e vai à final da Copa Sul-Americana

A Chapecoense segue fazendo história na Copa Sul-Americana. Nesta quarta-feira, o time catarinense segurou o empate por 0 a 0 com o San Lorenzo, na Arena Condá, em Chapecó (SC), e garantiu a classificação inédita para a final da competição. Como havia empatado por 1 a 1 na partida de ida, no estádio Nuevo Gasómetro em Bueno Aires, o time brasileiro se classificou graças ao gol marcado fora de casa.
Na decisão, a Chapecoense enfrenta Cerro Porteño, do Paraguai, ou Atlético Nacional, da Colômbia. O jogo de ida terminou empatado por 1 a 1 no estádio Defensores Del Chaco, em Assunção, e os atuais campeões da Copa Libertadores decidem a classificação em casa, no estádio Atanasio Girardot, em Medellín. A partida de volta acontece nesta quinta-feira, às 22h45 (de Brasília).
Essa será a sexta participação brasileira na final da Copa Sul-Americana. O primeiro foi o Internacional, campeão em 2008 sobre o Estudiantes. Nos dois anos seguintes, Fluminense e Goiás chegaram à decisão, mas perderam para LDU e Independiente, respectivamente. O Brasil voltou a conquistar o torneio em 2012, com o São Paulo, e a última vez que figurou na final foi em 2013 quando a Ponte Preta foi derrotada pelo Lanús.
Apoiado pela torcida - quase 18 mil torcedores - que lotou a Arena Condá, o time brasileiro mostrou raça e brigou por cada bola até o apito final, quando o estádio explodiu em comemorações pela inédita vaga na final.
Melhor no início de jogo, a Chapecoense usou a inteligência e soube administrar o rival argentino. Valorizou a posse de bola quando necessário, sem deixar de por velocidade nos contragolpes com o espaço dado pelo San Lorenzo, que precisava partir para o ataque. Com poucos lances de perigo, a partida se encaminhou para o intervalo com o empate sem gols persistindo.
No segundo tempo, o time da casa ficou atrás para aproveitar os contra-ataques. Só sofreu pressão nos últimos minutos. A grande chance do visitante saiu somente nos acréscimos, aos 48. No último lance, com o San Lorenzo totalmente lançado ao ataque, a bola sobrou para Blandi dentro da pequena área e o goleiro Danilo fez uma defesa salvadora esticando o pé direito e se tornando o herói da classificação.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia