Porto Alegre, quarta-feira, 23 de setembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
quarta-feira, 23 de setembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

serviços

- Publicada em 19h50min, 22/09/2020. Atualizada em 20h18min, 22/09/2020.

Trabalhadores dos Correios encerram greve no Rio Grande do Sul

Volta ao trabalho foi definida em assembleia geral com retorno previsto já para esta terça-feira

Volta ao trabalho foi definida em assembleia geral com retorno previsto já para esta terça-feira


fernando brazão/abr/jc
Os trabalhadores dos Correios decidiram encerrar a greve da categoria no Rio Grande do Sul, pouco mais de um mês após o início da paralisação nacional. A volta ao trabalho foi definida em assembleia geral na tarde desta terça-feira (22), no Sindicato dos Trabalhadores de Correios do RS (Sintect-RS), com retorno previsto já para as 22h desta terça.   
Os trabalhadores dos Correios decidiram encerrar a greve da categoria no Rio Grande do Sul, pouco mais de um mês após o início da paralisação nacional. A volta ao trabalho foi definida em assembleia geral na tarde desta terça-feira (22), no Sindicato dos Trabalhadores de Correios do RS (Sintect-RS), com retorno previsto já para as 22h desta terça.   
Na segunda-feira (21), o Tribunal Superior do Trabalho (TST) julgou o dissídio da categoria e aprovou reajuste de 2,6% previsto em uma das cláusulas do acordo coletivo. A greve não foi considerada abusiva pelos ministros, mas os funcionários terão desconto de metade dos dias parados e o restante deverá ser compensado.
Para a Federação Nacional dos Trabalhadores em Empresas de Correios e Telégrafos e Similares (FENTECT), o resultado não contempla as demandas da categoria e causará perda de benefícios dos trabalhadores da estatal. 
De acordo com os Correios, a maior parte dos empregados que havia aderido à greve retornou ao trabalho nesta terça-feira. Segundo a estatal, 92,7% dos trabalhadores já estão trabalhando normalmente.
A paralisação gerou queixas dos usuários do serviço diante do atraso nos prazos de entrega. Os Correios, porém, não informaram a quantidade de encomendas represadas devido à greve. 
Comentários CORRIGIR TEXTO