Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Galeria de imagens

Galeria de imagens

- Publicada em 22 de Junho de 2022 às 12:53

UFRGS deve entregar laudo completo sobre o Esqueletão até agosto

O prédio é localizado na Praça XV de Novembro, no Centro Histórico

O prédio é localizado na Praça XV de Novembro, no Centro Histórico


ANDRESSA PUFAL/JC
Em reunião nessa segunda-feira (20), a prefeitura de Porto Alegre e os técnicos do laboratório de ensaios e modelos estruturais (LEME) da UFRGS discutiram sobre a situação do Esqueletão, prédio inacabado localizado no Centro Histórico da Capital. O prédio está inacabado desde 1950, e, até setembro de 2021, pessoas viviam no local, quando ocorreu a desocupação total. A prefeitura solicitou um laudo completo com prazo até agosto, sobre a situação do prédio, para assim ser tomada a decisão: demolição ou restauração. De acordo com o secretário de Obras e Infraestrutura, André Flores, e os engenheiros da pasta, é necessário aprofundar as informações e estabelecer valores para a execução das alternativas: demolição ou restauração, conforme prevê escopo do contrato. Flores ressalta que as informações devem considerar a durabilidade, estabilidade e prevenção de incêndio na construção.
Em reunião nessa segunda-feira (20), a prefeitura de Porto Alegre e os técnicos do laboratório de ensaios e modelos estruturais (LEME) da UFRGS discutiram sobre a situação do Esqueletão, prédio inacabado localizado no Centro Histórico da Capital. O prédio está inacabado desde 1950, e, até setembro de 2021, pessoas viviam no local, quando ocorreu a desocupação total. A prefeitura solicitou um laudo completo com prazo até agosto, sobre a situação do prédio, para assim ser tomada a decisão: demolição ou restauração. De acordo com o secretário de Obras e Infraestrutura, André Flores, e os engenheiros da pasta, é necessário aprofundar as informações e estabelecer valores para a execução das alternativas: demolição ou restauração, conforme prevê escopo do contrato. Flores ressalta que as informações devem considerar a durabilidade, estabilidade e prevenção de incêndio na construção.
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO