Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Galeria de imagens

Galeria de imagens

- Publicada em 21 de Junho de 2022 às 15:53

Sítio paleontológico 'perdido' há 70 anos é redescoberto no Rio Grande do Sul

Pesquisadores já coletaram mais de 100 espécimes de fósseis no local

Pesquisadores já coletaram mais de 100 espécimes de fósseis no local


Univates/Divulgação/JC
Paleontólogos de três universidades gaúchas reencontraram um sítio fossilífero “perdido” por mais de sete décadas nas imediações da cidade de Dom Pedrito, na fronteira com o Uruguai. O local foi descoberto e descrito pela primeira vez em 1951. Naquela oportunidade, fósseis, especialmente de plantas, foram coletados e descritos. No entanto, os recursos tecnológicos disponíveis na época não permitiram o referenciamento geográfico exato do sítio, que teve sua localização perdida por mais de 70 anos. Finalmente, em 2019, o sítio paleontológico foi novamente localizado, em um esforço conjunto que contou com a participação de pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), da Universidade do Vale do Taquari (Univates) e da Universidade Federal do Pampa (Unipampa). No local, os cientistas já coletaram mais de 100 espécimes de fósseis de plantas e animais, como peixes e moluscos.
Paleontólogos de três universidades gaúchas reencontraram um sítio fossilífero “perdido” por mais de sete décadas nas imediações da cidade de Dom Pedrito, na fronteira com o Uruguai. O local foi descoberto e descrito pela primeira vez em 1951. Naquela oportunidade, fósseis, especialmente de plantas, foram coletados e descritos. No entanto, os recursos tecnológicos disponíveis na época não permitiram o referenciamento geográfico exato do sítio, que teve sua localização perdida por mais de 70 anos. Finalmente, em 2019, o sítio paleontológico foi novamente localizado, em um esforço conjunto que contou com a participação de pesquisadores da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs), da Universidade do Vale do Taquari (Univates) e da Universidade Federal do Pampa (Unipampa). No local, os cientistas já coletaram mais de 100 espécimes de fósseis de plantas e animais, como peixes e moluscos.
Conteúdo Publicitário
Leia também
Comentários CORRIGIR TEXTO