Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Notícia da edição impressa de 06/11/2020.
Alterada em 06/11 às 03h00min

Dois espetáculos que sugerem o presente/futuro das artes cênicas

O 27º Porto Alegre em Cena, festival promovido pela Secretaria Municipal de Cultura, terminou na semana passada e os grupos locais, que concorreram ao prêmio Braskem, já estão conhecidos e devem ter festejado seu reconhecimento. No entanto, há muito, anda, a se dizer e a escrever a respeito desta mostra que, neste ano, não apenas enfrentou e venceu os desafios provocados pela pandemia de Covid-19, quanto encontrou soluções cênicas variadas e criativas e que, por isso mesmo, independente de avaliações hierarquizantes, apenas, precisam ser discutidas e compreendidas no sentido da abertura de novos horizontes que propuseram.
O 27º Porto Alegre em Cena, festival promovido pela Secretaria Municipal de Cultura, terminou na semana passada e os grupos locais, que concorreram ao prêmio Braskem, já estão conhecidos e devem ter festejado seu reconhecimento. No entanto, há muito, anda, a se dizer e a escrever a respeito desta mostra que, neste ano, não apenas enfrentou e venceu os desafios provocados pela pandemia de Covid-19, quanto encontrou soluções cênicas variadas e criativas e que, por isso mesmo, independente de avaliações hierarquizantes, apenas, precisam ser discutidas e compreendidas no sentido da abertura de novos horizontes que propuseram.
Nesta coluna, quero me ocupar especificamente de dois espetáculos, e sua referência, um antes do outro, apenas respeita a ordem cronológica das próprias apresentações. Para mim, foram estes os espetáculos que melhor contribuição deram para o desenvolvimento presente e futuro das artes cênicas.
Começo falando de Tudo que coube numa VHS. Embora extremamente fragmentado, com postagens que mesclam os diferentes tempos em que os episódios ocorrem, o espectador é levado, através de diferentes plataformas e experiências sensoriais a remontar a história que, no fundo, é simples e emocionante: dois rapazes que se conhecem e estabelecem uma relação que se desenvolve com seus altos e baixos, como toda e qualquer relação entre duas pessoas, até o momento em que um deles, saindo atrasado para o serviço, acaba sofrendo um acidente.
O espetáculo começa pelo final. O primeiro momento é um vídeo em que um dos personagens alerta: se você está vendo este vídeo, é porque morri. O vídeo simula as precárias condições de gravação das antigas fitas VHS. Sabemos, pois, que estamos ouvindo um morto. Claro, a literatura já fez isso, por exemplo, com Memórias de Brás Cubas, de Machado de Assis, mas as tecnologias deste momento nos provocam um outro impacto. Ler é uma coisa, VER um morto, ouvir um morto, depois de sua morte, é outra bem diferente, sobretudo porque ele nos convida a entrar na sua cabeça e viajar pelo que então compreendemos serem suas memórias. Estas memórias estão desorganizadas, cronologicamente.
Talvez surjam conforme alguns influxos elétricos mais ou menos fortes (o dramaturgo Nelson Rodrigues valeu-se desta ideia soberbamente, em Valsa n. 6, uma obra-prima), mas é assim, através de gravações de WhatsApp, de fotografias, de gravações sonoras que remetem a festas e encontros vários, que o enredo vai sendo remontado, numa linguagem que, oralmente considerada, é profundamente cotidiana e por isso emociona, mas cujo requinte tecnológico pelo qual é apresentada ao espectador - que se torna, de certo modo, um voyeur - evidencia um requinte de concepção simplesmente admirável. Em apenas 30 minutos, e por isso mesmo, ficamos querendo mais. É impactante, inesquecível, uma obra que abre caminhos.
O outro espetáculo é bem diverso. É um grupo de dança, o Anti Status Quo, com direção de Luciana Lara. O espetáculo, que também não passa de 35 minutos, teve dramaturgia dela mesma, além dos bailarinos Déborah Alessandra, Jaqueline Silva, Leandro Rodrigues, Márcia Regina, Mônica Bernardes, Raoni Carricondo e Rebeca Damian, que também são seus intérpretes e animadores (este tipo de espetáculo dificulta o uso de uma nomenclatura tradicional para nos referirmos aos criadores e participantes). A trilha sonora, fundamental para o resultado final alcançado, é de Valeria Lahmann.
É um grupo de dança, reitero, e o debate a que pude assistir possibilitou um diálogo instrutivo, que evidenciou a maneira pela qual o grupo passou da dança fisicamente presente, para uma verdadeira coreografia que não usa mais o corpo todo, mas o detalhe do corpo, graças ao primeiro plano. De fato, assistimos a uma verdadeira obra que coreografou a imagem e os detalhes da imagem dos corpos dos bailarinos. Bem-humorada, inteligente, sensível, muito bem editada e montada para permitir o ritmo que o espetáculo exigia, Juntoseseparados 3 propõe novos e insuspeitáveis caminhos para a dança mediada por tecnologias. Ao revelar que até março de 2020 ela jamais trabalhara com tecnologias deste tipo, a coreógrafa Luciana Lara evidencia uma inteligência sensível absolutamente elogiável e absolutamente utópica. Em duas partes (a primeira reflete sobre a própria condição de interatividade tecnológica, e a segunda, discute a condição do corpo neste novo contexto), muda a cabeça e a nossa sensibilidade.
 
Comentários CORRIGIR TEXTO
Antônio Hohlfeldt
Antônio Hohlfeldt
Um dos principais críticos de teatro do Brasil, Antonio Hohlfeldt comenta os espetáculos em cartaz no Rio Grande do Sul, analisando festivais e observando a evolução de grupos teatrais gaúchos e nacionais. Todas as sextas-feiras no Jornal do Comércio.