Porto Alegre, domingo, 26 de julho de 2020.
Dia dos Avós.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
domingo, 26 de julho de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Mobilidade

- Publicada em 19h02min, 02/09/2019. Atualizada em 15h29min, 04/09/2019.

Porto Alegre ganha primeira rua com menos carros e mais espaço para pedestres

Prefeitura lança projeto Ruas Completas na rua João Alfredo

Prefeitura lança projeto Ruas Completas na rua João Alfredo


LUIZA PRADO/JC
Patrícia Comunello
Menos carros porque tem menos espaço para eles e mais pedestres porque as pessoas vão ter mais área na rua para circular. Esta é a proposta do projeto Ruas Completas, que estreou nesta segunda-feira (2) na rua João Alfredo, no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, e que será levado a mais locais da cidade, como Centro Histórico, Quarto Distrito e Restinga. "A ideia é espalhar pela cidade", resume o secretário extraordinário de Mobilidade Urbana Rodrigo Tortoriello.
Menos carros porque tem menos espaço para eles e mais pedestres porque as pessoas vão ter mais área na rua para circular. Esta é a proposta do projeto Ruas Completas, que estreou nesta segunda-feira (2) na rua João Alfredo, no bairro Cidade Baixa, em Porto Alegre, e que será levado a mais locais da cidade, como Centro Histórico, Quarto Distrito e Restinga. "A ideia é espalhar pela cidade", resume o secretário extraordinário de Mobilidade Urbana Rodrigo Tortoriello.
A Empresa Pública de Transporte e Circulação (EPTC) confirma que estuda implantar o projeto em mais dez vias, sem data definida de quando os novos pontos serão implantados. Além disso, a EPTC não descarta adotar algo mais radical, como fechar ruas para a circulação de carros. "É errado pensar que se não há estacionamento, o comércio não funciona. Pesquisas mostram que o uso de bicicleta e os pedestres trazem mais negócios que o automóvel. Se não, todas as lojas teriam drive-thru", contrasta Tortoriello. Mesmo assim, alguns restaurantes da João Alfredo reagiram com a restrição de vagas, alegando que a medida provocou a queda no movimento.     
Em 700 metros de extensão da rua, reduto de bares e muito agito na noite da Capital - que já gerou atritos entre estabelecimentos e moradores-, parte das vagas para estacionar foram eliminadas para serem transformadas em espaços destinados a pedestres. A via foi pintada de verde nestes locais, que se distribuem ao longo do trajeto. Faixas de segurança e colocação de marcações no chão dividindo áreas de carros e de pedestres fazem parte do novo visual. Placas de 30 quilômetros por hora apontam o novo limite de velocidade. O gasto total foi de R$ 150 mil, informou o secretário. 
O secretário extraordinário diz que a João Alfredo foi escolhida por ser um espaço multicultural, "com perfis diferentes de frequentadores e que foi uma zona de conflito". "Escolhemos o local para mostrar que a ocupação da via pode fazer com que as tribos possam conviver com mais harmonia. Trazer mais gente à rua melhora a segurança pública, pois aumenta a circulação", acrescenta Tortoriello. 
> VÍDEOS JC: Veja como ficou a rua com as mudanças
O prefeito da Capital, Nelson Marchezan Júnior, apontou que a iniciativa enfrenta desafios das cidades, como resolver a ocupação de espaços públicos e a mobilidade. A redução da velocidades dos veículos ajuda na convivência mais harmônica com outras formas de mobilidade, como patinetes e bicicletas e mesmo com pedestres, citou Marchezan. "A ideia é humanizar os espaços públicos. Depois vamos expandir para outras regiões", adianta o prefeito.
As áreas pintadas de verdes não terão pavimentação de calçadas. A ideia é instalar paisagismo e bancos. A prefeitura espera que empresas ajudem a custear estes acabamento. Um alerta é que quem for flagrado sobre o espaço verde será multado em R$ 195,23, levando cinco pontos na carteira, mesma punição de estacionar na calçada. 
Uma turma de alunos do curso de marcenaria do Instituto Pão dos Pobres, localizado a 200 metros da rua, confeccionará os bancos para instalar no futuro. Os alunos foram à estreia nesta segunda e estavam  animados com o desafio. "Já começamos a ver algumas alternativas, quem sabe fazer de madeira maciça, pois os bancos ficarão ao ar livre", diz Natália Machado. "Vai ser legal passar aqui depois e ver o nosso trabalho", diz Natália Machado.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/09/04/206x137/1_pao_pobres-8834523.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5d6ff33d696d8', 'cd_midia':8834523, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2019/09/04/pao_pobres-8834523.jpg', 'ds_midia': 'Mobilidade - Instituto Pão dos Pobres - turma de marcenaria que fará mobiliário para rua João Alfredo - projeto Ruas Completas - bairro Cidade Baixa Porto Alegre', 'ds_midia_credi': 'PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Mobilidade - Instituto Pão dos Pobres - turma de marcenaria que fará mobiliário para rua João Alfredo - projeto Ruas Completas - bairro Cidade Baixa Porto Alegre', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}

Natália (direita) com seus colegas e o desafio de fazer o mobiliário. Foto: Patrícia Comunello

Para fazer o mobiliário que será instalado, até agora a prefeitura já teve a garantia de uma empresa que doará palets. Quem tiver interesse em também doar - e pode ser desde materiais até itens de paisagismo, pode acessar a ferramenta ConstruaPO, no aplicativo #EuFaçoPoa. A empresa Lifepoa, segundo a EPTC, vai doar bancos de concreto para a área.

Donos de restaurantes sentem impacto da falta de vagas

Dono de um dos mais tradicionais restaurantes da Cidade Baixa, o Tudo Pelo Social, Angelo Pilotti diz que a supressão de vagas na rua para carros afetou o movimento da casa. "Serei curto e grosso: ninguém queria isso aí (Ruas Completas). Nem os moradores queriam. Em 15 dias, o movimento já caiu 30% a 40% no fim de semana e 50% em dias de semana", garante. O Tudo pelo Social está há 27 anos na rua, 15 dos quais no atual trecho, entre as ruas Da República e Luis Afonso. "Depois que abrimos que a rua João Alfredo surgiu", vangloria-se o empresário. 
Pilotti conta que teve de demitir seis funcionários - hoje são 26 no total, devido ao impacto da mudança, que restringiu a chegada de clientes. Com menos vagas, os frequentadores podem deixar o carro no estacionamento ao lado, pagando R$ 15,00, usar aplicativo de transporte, bicicleta ou ônibus. O restaurante servia 700 refeições ao meio-dia. Pilotti diz que agora serve 400. O bufet livre é R$ 15,00.
"Alertei a prefeitura. Meu palpite é que, em seis meses, vai ter menos pessoas na área, e a João Alfredo não vai existir", projeta. O proprietário duvida ainda que as pessoas vão usar bicicleta ou ônibus para ir à região. "Desafio esse pessoal que almoça e janta na zona norte ou na avenida Protásio Alves a vir aqui. Dou (comida) de graça", desabafa Pilotti, referindo-se a integrantes do Executivo.
Victória Maggioni, sócia do Eleven Grill, localizado na rua e distante cerca de 50 metros do Tudo pelo Social, admite que a restrição para estacionar nas laterais afetou a demanda do meio-dia. Ela também comentou que moradores têm falado sobre a preocupação de que a colocação de bancos pode atrair moradores de rua para ficar no mobiliário. "A ideia é muito boa, mas vai depender de o público respeitar", conclui Victória. 
O cuidador de carros na região Leandro Leite da Silva, há 15 anos na atividade, diz que sentiu um pouco o efeito, com menos carros parando na via. Silva diz terá que se acostumar com a nova situação.    
Comentários CORRIGIR TEXTO