Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 22 de agosto de 2018.
Dia do Folclore.

Jornal do Comércio

Internacional

COMENTAR | CORRIGIR

Venezuela

22/08/2018 - 08h55min. Alterada em 22/08 às 08h55min

Após terremoto na Venezuela, não há previsão de novos tremores

O terremoto de magnitude 6,9 atingiu a região de Sucre e refletiu em prédios, a exemplo a Torre de David

O terremoto de magnitude 6,9 atingiu a região de Sucre e refletiu em prédios, a exemplo a Torre de David


FEDERICO PARRA/AFP PHOTO/JC
Agência Brasil
Após o terremoto que atingiu magnitude 6,9 na região de Sucre, na Venezuela (Funvisis), não há registro de novos tremores no país, segundo a Fundação Venezuelana de Investigações Sismológicas na rede social Twitter. Também não há previsão de tsunamis. Porém, o Instituto Geological Survey, dos Estados Unidos, informou que a magnitude do terremoto foi de 7,3.
Em entrevista coletiva concedida na terça-feira (21), o ministro do Interior, Justiça e Paz, Nestor Reverol, informou não haver relatos de mortes em decorrência do terremoto. "Até neste momento, não nos relataram baixa alguma. Estamos em coordenação com os governadores, disse o ministro. Pedimos tranqüilidade à população venezuelana para que possamos atuar com calma."
A Funvisis informou que o epicentro dos tremores foi a 19 quilômetros de Yaguaraparo, no estado de Sucre, às 17h31min de terça-feira (22). O ministro do Interior acrescentou que foram sentidos efeitos do terremoto também em Delta Amacuro, Nueva Esparta, Monagas, Bolívar, Carabobo, Aragua e Caracas. O centro do sismo ocorreu a 123,2 km de profundidade, com impactos também na região de Roraima, Colômbia e Trinidad y Tobago.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia