Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 02 de julho de 2018.
Dia do Bombeiro Brasileiro.

Jornal do Comércio

Geral

COMENTAR | CORRIGIR

Imprensa

Notícia da edição impressa de 02/07/2018. Alterada em 02/07 às 01h00min

Entidades repudiam ameaças contra jornalistas

A Associação Brasileira de Emissoras de Rádio e Televisão (Abert), a Associação Nacional de Editores de Revista (Aner) e a Associação Nacional de Jornais (ANJ) divulgaram, ontem, nota de repúdio a ameaças feitas por internautas contra jornalistas da revista Época.
Na sexta-feira, a revista publicou em seu site reportagem sobre o funcionamento do maior grupo de propagação de ódio na internet brasileira. De acordo com a publicação, esse grupo atualmente se articula por meio do fórum de discussão chamado Dogolachan, que tenta se manter anônimo.
Após a publicação da reportagem, os autores do texto passaram a receber ameaças.
"A Abert, a ANJ e a Aner repudiam tais ações, que têm a intenção de tentar calar e intimidar a imprensa. Os profissionais e veículos de comunicação continuarão a cumprir sua principal missão - a de informar a sociedade sobre fatos de interesse público", diz trecho do comunicado divulgado pelas entidades, que pedem também às autoridades competentes a identificação e punição dos responsáveis pelas mensagens.
O fórum Dogolachan foi criado por Marcelo Valle Silveira Mello (que já foi condenado por racismo na internet no Brasil) e Emerson Eduardo Rodrigues. Segundo a revista, a Polícia Federal considera ambos os grandes articuladores da maior rede de ódio que atua há ao menos uma década no Brasil. Eles chegaram a ser presos em 2012, mas foram beneficiados por um então vácuo na legislação brasileira para crimes cometidos na internet.
O grupo costuma apostar em conteúdo com grande apelo dos internautas, como apologia à pedofilia ou ataques racistas. Seus alvos costumam ser personalidades conhecidas, como o deputado federal Jean Wyllys, à esquerda, até a advogada Janaína Paschoal, à direita.
Ainda de acordo com a reportagem, o grupo tenta ganhar dinheiro com as ações, com a implantação, por exemplo, de mecanismo de captação de recursos em seus sites.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia