Porto Alegre, quinta-feira, 22 de julho de 2021.
Porto Alegre,
quinta-feira, 22 de julho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

exposição

- Publicada em 14h25min, 22/07/2021.

Lory Finocchiaro ganha mostra documental na Sala Radamés Gnattali

Porto-alegrense também será homenageada com Palco Lory F. na Casa de Cultura Mario Quintana

Porto-alegrense também será homenageada com Palco Lory F. na Casa de Cultura Mario Quintana


FERNANDA CHEMALE/DIVULGAÇÃO/JC
Abre, no sábado (24), na Sala Radamés Gnattali da Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736), a exposição Lory F. - Você vai ser obrigado a me escutar. A porto-alegrense também será homenageada com o nome em um novo espaço do complexo cultural, o Palco Lory F.
Abre, no sábado (24), na Sala Radamés Gnattali da Casa de Cultura Mario Quintana (Andradas, 736), a exposição Lory F. - Você vai ser obrigado a me escutar. A porto-alegrense também será homenageada com o nome em um novo espaço do complexo cultural, o Palco Lory F.
Figura essencial do rock brasileiro, a baixista, cantora, compositora, produtora e desenhista Lorice Maria Finocchiaro fez parte de inúmeras bandas, como Cor de Rosa, Sempre Livre, Sombras da Noite, Pretty Woman Band e a sua Lory F. Band.
Ela morreu em 11 de agosto de 1993, por complicações da Aids, deixando o antológico disco póstumo, Lory F. Band, lançado em 1996, produzido pelas irmãs Laura e Deborah Finocchiaro e pela amiga Fernanda Chemale. O álbum entra nas plataformas digitais nesta sexta-feira (23), véspera da inauguração da mostra documental, com apoio da gravadora Cogumelo Records e distribuição da Nikita. “Forjado nas ruas de Porto Alegre, uma cidade fria e sonolenta, careta e cheia de preconceito. Parido por uma mulher em meio a um ambiente normalmente dominado por homens, seria difícil que não soasse como soou”, comenta Ricardo Finocchiaro Bolsoni, filho de Lory.
Ela era vocalista, baixista e líder da banda, que reunia músicos de peso como Ricardo 'King Jim' Cordeiro no sax e voz (principal parceiro de composição de Lory), Marcinho Ramos e Marcelo Fornazier nas guitarras, Edinho Espíndola e Edinho Galhardi na bateria.
Lory F. - Você vai ser obrigado a me escutar é uma mostra documental com curadoria de Joana Alencastro. Fruto de pesquisa da jovem acadêmica em História da Arte, que trabalha com intersecções entre a música e as artes visuais, a exposição reúne fotos, vídeos, cartazes, flyers, notícias de jornais, desenhos, bilhetes, documentos pessoais e outros itens que fazem um resgate histórico da vida e da obra musical de Lory Finocchiaro. A visitação ocorre de segunda a sexta-feira, das 10h às 18h. e sábados, das 13h às 18h.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário