Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 04 de junho de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

NEGÓCIOS CORPORATIVOS

Notícia da edição impressa de 05/06/2018. Alterada em 04/06 às 22h41min

Enel assume o controle acionário da Eletropaulo

Acionistas da distribuidora de energia Eletropaulo aceitaram a proposta da italiana Enel para comprar o controle da companhia e venderam R$ 5,5 bilhões em ações da empresa em leilão na B3 ontem. Foram negociadas 122,7 milhões de ações da Eletropaulo.
Com o negócio, a Enel se torna a maior distribuidora de eletricidade do Brasil, superando a CPFL, controlada pela chinesa State Grid. Segundo a Enel, a operação adiciona 7 milhões de unidades consumidoras a sua base de clientes.
A empresa tem operações de distribuição no Rio de Janeiro, Goiás e Ceará, atendendo 10 mil unidades. Além de comprar as ações, a italiana se comprometeu a realizar um aumento de capital de R$ 1,5 bilhão.
A Enel venceu disputa pela compra da Eletropaulo travada com a espanhola Iberdrola, dona da Neoenergia, com quem trava corrida pelo posto de principal empresa do segmento na Europa.
A Enel ofereceu R$ 45,22 por ação da Eletropaulo, enquanto a rival oferecia R$ 39,53.
A batalha acirrada pelo controle da distribuidora paulista chegou à Comissão Europeia, devido a uma reclamação da Iberdrola, que acusou em carta a Enel de aproveitar sua posição de estatal para adotar práticas anticompetitivas na Itália e no Brasil.
Antes disso, a Eletropaulo cancelou uma oferta pública de distribuição de ações, por queixas da italiana, que argumentava que a oferta beneficiaria a Neoenergia.
O interesse das empresas estrangeiras criou um leilão com seguidas ofertas de ambos os lados e elevou o valor da Eletropaulo. No dia 1 de fevereiro, a cotação delas estava em R$ 14,10.
A disputa beneficiou o governo federal, que detêm 26,7% do capital da Eletropaulo, por meio de investimentos diretos da União e do Bndes. A companhia americana AES é dona de 16,84% do capital da empresa.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia