Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 15 de janeiro de 2018.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Negócios Corporativos

15/01/2018 - 13h53min. Alterada em 15/01 às 14h03min

Revista alemã diz que chineses negociam compra da C&A

Donos da C&A não confirmaram nem negaram a informação

Donos da C&A não confirmaram nem negaram a informação


MORUMBI SHOPPING/DIVULGAÇÃO/JC
Folhapress
A família Brenninkmeijer, fundadora da C&A, negocia a venda da empresa para investidores chineses, segundo reportagem da revista alemã Der Spiegel. Fontes ouvidas pela publicação relataram que o negócio estaria próximo de ser fechado. Procurados, os donos da C&A não confirmaram nem negaram a informação.
Sem mencionar explicitamente o negócio, a Cofra Holding, grupo ao qual pertence a C&A, disse em comunicado que "a mudança em andamento na C&A inclui também a exploração de diferentes formas de penetrar em mercados emergentes como a China e em meios digitais, e podem potencialmente incluir parcerias e outros tipos de participações externas".
A rede de vestuário, fundada em 1841, possui 1.800 unidades em 24 países da Europa, América Latina e Ásia. A empresa atua no Brasil desde 1975, e conta atualmente com 270 lojas em 125 cidades. De acordo com a C&A, há cerca de 16 mil trabalhadores empregados na operação brasileira.
Nos últimos anos, a gigante de têxteis tem enfrentado a competição crescente de lojas da internet. Além disso, concorrentes como a H&M e a Primark abocanham cada vez mais parcelas do mercado. Na Alemanha, o faturamento da C&A caiu de 3,09 bilhões de euros em 2011 para 2,62 bilhões de euros em 2017.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
JOSEMAR SILVA DOS SANTOS 15/01/2018 15h05min
Vamos ser transformados em ESCRAVOS CHINESES por causa da nossa própria ganância.