Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 25 de maio de 2018.
Dia da Indústria e dia do Aniversário do Jornal do Comércio.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

negócios corporativos

Alterada em 25/05 às 19h03min

Nova audiência da Ecovix é marcada para 26 de junho

A Assembléia Geral de Credores (AGC) da Ecovix terá continuidade no dia 26 de junho, após ser suspensa em março. No fim de abril, a 6ª Câmara Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul (TJ-RS), em Porto Alegre, autorizou, por unanimidade, a retomada da assembleia. A Audiência será no Hotel Villa Moura Executivo, em Rio Grande, às 14h.
A Ecovix entrou com pedido de recuperação judicial em dezembro de 2016. A empresa é a quarta maior do país em valores (cerca de R$ 7 bilhões). Na assembleia do próximo dia 26 de junho, os credores irão avaliar o plano de recuperação. Além de renegociar a dívida, a empresa pretende preservar ativos avaliados em US$ 1 bilhão no Porto de Rio Grande – entre os quais, o dique seco, o maior do Hemisfério Sul. Sem operar, como se encontram atualmente, as estruturas estão se deteriorando.
Os investimentos da Ecovix no porto começaram em 2010, quando venceu concorrência da Petrobras para a montagem de plataformas de petróleo. Até seu fechamento, cinco unidades foram entregues. No auge da produção, cerca de 10 mil pessoas chegaram a trabalhar nos dois estaleiros. Hoje os 60 funcionários fazem gestão e manutenção das estruturas. Uma empresa terceirizada corta blocos que seriam transformados na P-72.
As operações em Rio Grande podem ser ampliadas. A Ecovix analisa a possibilidade de utilizar o porto para a movimentação de cargas, reparos em plataformas e embarcações, processamento de aço para a indústria metalmecânica e ainda a finalização da P-71, que está com 30% da estrutura montada.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia