Porto Alegre, segunda-feira, 22 de outubro de 2018.
Dia do Enólogo.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

Sial 2018

21/10/2018 - 18h02min. Alterada em 22/10 às 15h52min

Larvas e grilos viram hamburgers, aperitivos e barrinhas de cereais

Pauline Barré fundou a empresa Ïhou, que usa grilos como alimento

Pauline Barré fundou a empresa Ïhou, que usa grilos como alimento


PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC/
Patrícia Comunello, de Paris
Entre as inovações que prometem ser cada vez mais badaladas é o uso de insetos para substituir ingredientes e reforçar os alimentos, como substitutos da proteína da carne, por exemplo. Na Sial, algumas das experiências atraem a atenção e curiosidade. A comitiva brasileira conferiu, claro, algumas das empresas que estão usando o inseto transformado em farinha ou que são o próprio produto. Grilos e larvas, neste caso cultivadas seguindo preceitos da cultura orgânica, estão em barrinhas de cereais, snackss e e como substitutos da carne, em hamburgers. Outra características é que são empreendedores jovens, com suas startups, que seguem esta trilha.
“Queremos apresentar alternativa para a carne”, diz Charolotte Allix, da francesa Les Fruits de Terre, que testa o hamburger há quatro meses com consumidor final. As larvas usadas são cultivadas na França. Charlotte diz que o desafio é conquistar as pessoas pelo sabor, que ela garante ser melhor que o da carne. O uso das larvas, que passam por processo de secagem e depois transformação em farinha, também ocorre em almôndegas e chips. As receitas são testadas em uma escola de gastronomia, com grandes chefs de cozinha. “O valor proteico é o mesmo da carne e a ideia é garantir o impacto da proteína, usar no prato principal”, cita uma das pesquisadoras, pela Les Fruits de Terre.
PATRÍCIA COMUNELLO /ESPECIAL/JC/

Charolotte Allix, da Les Fruits de Terre, testa o hamburger há quatro meses. Foto: Patricia Comunello

Outro expositor é a Ïhou, que aposta nos grilos para entregar desde snackss a barras de cereais. Os produtos já estão no mercado, em embalagens para consumidor final. A empresa fica em Faulquemont, no leste da França, próximo a Alemanha. Pauline Barré fundou a operação com mais dois amigos que queriam oferecer alternativas sustentáveis que tenham origem de cultivos também orgânicos.
Os aperitivos, que são os próprios grilos, vêm em versões salgadas, com curry e frango, e doces, com mel e canela e chocolate. As barras de cereais têm entre os ingredientes o inseto. Pauline conta que ainda é preciso vencer resistências do consumidor que vê o inseto e acha estranho. Por isso, as barras de cereais, que nada lembram os insetos, fazem sucesso, garante Pauline.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia