Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 07 de agosto de 2018.

Jornal do Comércio

Notícia da edição impressa de 06/08/2018.
Alterada em 07/08 às 21h08min
COMENTAR | CORRIGIR

Energia solar e incentivos para reduzir a pobreza

Excedente energético é vendido, gerando renda à comunidade

Excedente energético é vendido, gerando renda à comunidade


THIAGO COPETTI/ESPECIAL/JC
Apesar de sediar grandes empresas e estar à beira do rico rio Yangtzé, a província de Hubei também precisa lutar contra a pobreza de parte da população. Retirar pessoas da pobreza extrema (que vivem com menos de 2,5 mil yuanes/ano, ou cerca de US$ 1 por dia) é uma das prioridades da China hoje em dia. De acordo com o governo, 68 milhões de pessoas deixaram essa condição entre 2013 e 2017. E ações desenvolvidas na capital Wuhan, como no distrito de Huangzhou, são um exemplo de sucesso.
Na pequena aldeia de Lijiawan, em menos de três anos, um conjunto de ações retirou dessa situação 254 pessoas que viviam em extrema pobreza na região. Os trabalhos se direcionam a ações macro, e também específicas, explica Zheng Xingping, secretário da comissão da aldeia.
No âmbito geral do povoado, por exemplo, com recursos estatais se conseguiu implantar um conjunto de painéis de energia solar. Além de gerar energia para sistemas de limpeza que transformam água suja em potável, o excedente energético é vendido ao mercado e vira renda para a manutenção da comunidade.
Outro trabalho local para gerar renda foi formar uma cooperativa rural para formação de viveiros de árvores e investimento em acessos asfálticos ao povoado, melhorando o transporte de mercadorias e de pessoas. Outra proposta que tem dado resultados é a criação de um fundo, inicialmente com aporte do governo, para manutenção e apoio aos mais pobres. "E quem consegue, com essa ajuda, sair da pobreza e arranjar um emprego, posteriormente passa a doar um percentual da renda para manutenção desse mesmo fundo", explica Zheng.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Thiago Copetti

A convite do Centro Internacional de Imprensa da China, o repórter está participando de um intercâmbio no gigante asiático. No blog Conexão China, apresentará, além de informações econômicas e políticas da segunda maior economia do mundo, também curiosidades culturais e gastronômicas, dicas de turismo e como é o cotidiano da vida em Pequim.