Porto Alegre, sábado, 14 de março de 2020.
Dia Nacional da Poesia. Dia do Vendedor de Livros.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

mercado financeiro

07/08/2018 - 20h10min. Alterada em 07/08 às 20h10min

Dólar avança ante outras moedas principais de olho no PBoC e no BoJ

O dólar operou em queda nesta terça-feira (7), em relação a divisas fortes e de países emergentes, depois que a China mostrou sinais de que está apoiando o valor do yuan.
O dólar operou em queda nesta terça-feira (7), em relação a divisas fortes e de países emergentes, depois que a China mostrou sinais de que está apoiando o valor do yuan.
Próximo ao horário de fechamento das bolsas em Nova Iorque, o dólar caía para 110,40 ienes e o euro subia para US$ 1,1600.
O dólar recuou contra o yuan chinês, enquanto traders de quatro grandes instituições financeiras em Xangai disseram que o Banco do Povo da China (PBoC, na sigla em inglês) interveio no mercado por meio de swaps cambiais, com a intenção de enfraquecer a cotação do dólar. Já o estoque de reservas externas da China subiu ligeiramente para US$ 3,12 trilhões no mês passado, o que ajudou a reforçar a confiança no yuan em meio a preocupações de que o fortalecimento do dólar pudesse estimular o fluxo de capital para fora do país asiático.
Analistas e investidores temem que reduções rápidas de posições em yuan possam sugerir grandes saídas de capital ou determinar ações do PBoC para sustentar a moeda.
Além disso, o dólar também recuou após relatos apontarem que dirigentes do Banco do Japão (BoJ, na sigla em inglês) consideraram elevar a taxa de juros no início deste ano e estão procurando maneiras de se afastar da política ultra-acomodatícia que ajudou a levar as taxas de juros a um nível negativo em solo japonês. Uma elevação nas taxas foi bloqueada devido à volatilidade dos mercados no início do ano e à inflação ainda franca no país.
"Isso sugere que o caminho da política monetária daqui para frente é menos, e não mais acomodatício", apontou o estrategista Mazen Issa, da TD Securities.