Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 29 de maio de 2018.
Dia Mundial da Energia. Dia do Estatístico. Dia do Geógrafo.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

Alterada em 29/05 às 20h25min

A revolução do Bitcoin e do blockchain

Jonathan Doering Darcie
Se você acha que cartões de débito e crédito são "dinheiro eletrônico", está enganado. Uma transação com cartões exige a formação de uma cadeia de elos de confiança: você confia na operadora do cartão, que confia no seu banco, que confia no banco da pessoa com quem você está fazendo uma operação. Esse sistema, lento e dependente de confiança, não se parece em nada com o que um dinheiro eletrônico deveria ser. O dinheiro eletrônico nasceu com o Bitcoin. Trata-se do primeiro ativo eletrônico na história cuja estrutura possibilita que transações ocorram sem a necessidade de intervenção de intermediários, sem que qualquer das partes envolvidas necessite confiar uma na outra.
Isso graças a algo chamado blockchain: um protocolo para o armazenamento de dados de modo descentralizado, em que eles vão sendo inseridos em blocos ligados sequencialmente um ao outro. Tudo isso sob a segurança da chamada criptografia assimétrica. É bastante abstração, eu sei.
Deixe-me tentar deixar as coisas concretas: eu depositei exatamente neste artigo do Jornal do Comércio o equivalente a R$ 50,00 em uma criptomoeda chamada Ether, parecida com o Bitcoin. Estão depositadas na chave privada: 47c21e246fcf0699895c87f2b770dfbba79fcd04b1f7582ca7155b6ca30b34a2. Quer acessar a carteira e dar uma olhada? Vá em https://www.myetherwallet.com/#send-transaction, clique em "Private Key", insira aquela sequência longa e estranha de letras e números e aperte "Unlock". Pronto! Você acaba de acessar a carteira. Mas é provável que enquanto esteja lendo este artigo alguém já tenha entrado lá e transferido os fundos para outra carteira. Tudo pode parecer distante. Mas eu garanto que você irá se acostumar, assim como se acostumou com a internet. É que as criptomoedas e o blockchain é que vão liberar o potencial "contido" da internet: acabaram os limites, os intermediários e a insegurança. Bem-vindo ao mundo incrível das criptomoedas e do blockchain.
Advogado, CEO da Iconic
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia