Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 28 de maio de 2018.
Dia da Saúde.

Jornal do Comércio

Opinião

COMENTAR | CORRIGIR

artigo

28/05/2018 - 22h46min. Alterada em 28/05 às 21h18min

Incoerência e oportunismo

Claudir Nespolo
Incoerência, segundo o dicionário, é ausência ou inexistência de coerência. É incongruência ou contradição. É característica de uma pessoa incoerente, que fala uma coisa e faz outra completamente diferente. No entanto, é tratada como virtude na obra "O Príncipe", de Maquiavel, escrito no século XVI, mas ainda um livro de cabeceira de certos políticos. Já oportunismo é a habilidade em aproveitar os fatos ou circunstâncias para obter algo. É a prática de conduta adotada por uma pessoa que, visando poder e vantagens, faz uso de métodos desleais e inescrupulosos, sacrificando princípios e valores.
Desde que foi empossado, o governador José Ivo Sartori vem pregando o caos no Estado. Arrochou e parcelou salários dos servidores, aplicou tarifaço no ICMS, aprovou a extinção de fundações e vendeu ações do Banrisul, dentre outras maldades. Passou quase todo o mandato tentando aprovar uma PEC para acabar com a obrigatoriedade do plebiscito para a privatização da CEE, Companhia Riograndense de Mineração (CRM) e Sulgás. Porém, diante da resistência dos funcionários e da oposição na Assembleia Legislativa, não conseguiu votos suficientes e a proposta sequer foi votada. Agora, no apagar das luzes, Sartori deu um "cavalo de pau" e enviou requerimento aos deputados para que haja plebiscito sobre a venda das três empresas públicas e lucrativas junto com as eleições de outubro. De exterminador da consulta popular passou a ser ardoroso defensor.
O plebiscito é um valioso instrumento de democracia participativa. Foi conquistado após mobilização dos bancários para proteger o Banrisul como banco público, tendo sido estendido para outras estatais e aprovado por unanimidade, em 2002, inclusive com o voto de Sartori, que era deputado estadual. Não pode ser utilizado na lógica do mercado nem para desviar as atenções da população do balanço necessário de um governo medíocre, entreguista e submisso aos interesses privados.
Presidente da CUT-RS
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia