Seja dono da história da sua marca, usando o Storytelling


Vitor Peçanha, co-fundador da Rock Content Vitor Peçanha, co-fundador da Rock Content

https://www.linkedin.com/in/pecanha/


Toda marca possui uma história, Story, que é a mensagem a ser transmitida. Essa história deve ser forte, representar o seu propósito e como o herói será ajudado em sua jornada.


Todos nós somos fascinados por histórias. Um herói, um conflito, uma superação, grandes aventuras! Uma boa história prende nossa atenção e desperta emoções, fazendo com que ela fique na nossa memória como o nome de dois namorados rabiscados em uma pedra.
A técnica - há quem chame de arte - de contar, desenvolver e adaptar histórias para transmitir uma mensagem de forma inesquecível ao conectar-se com o leitor no nível emocional é chamada de Storytelling.
No marketing é comum essa técnica ser erroneamente associada à existência de uma narrativa, como se fosse obrigatória a presença de um personagem e um conto, quase como um roteiro sobre a origem das marcas. Sim, esse é um dos formatos de storytelling, mas está longe de ser o único.
Toda marca possui uma história, Story, que é a mensagem a ser transmitida. Essa história deve ser forte, representar o seu propósito e como o herói será ajudado em sua jornada. Sim, temos um herói, mas ele não é você, ele é o cliente.
O cliente possui um problema, que será resolvido ao interagir com sua marca e, idealmente, seus produtos e serviços. Seu papel é ter uma história que mostre para o herói que você é o guia ideal para ajudá-lo a superar um conflito.
Com uma boa história, é hora de definir como contá-la, Telling, e isso pode ser feito de várias maneiras. Um conto narrativo é somente uma delas. Também é possível contá-la através de campanhas publicitárias, marketing de conteúdo, eventos, ações de branding, etc.
Ou seja, toda marca, tradicional ou moderna, já está contando uma história na cabeça de sua audiência, mas as que não usam de estratégias de Storytelling estão deixando que o roteiro da própria história seja criado por outras pessoas. E para uma marca, isso pode ser desastroso.
Se você ainda não tomou as rédeas da sua história, já está atrasado. A Nike não vende tênis, ela ajuda pessoas a se tornarem atletas, a Red Bull incentiva as pessoas a superarem seus limites. Todo mundo quer se tornar uma pessoa melhor. A sua marca ajuda seu cliente nessa missão? Como?
Outro ponto importante é que o cliente é o herói da história, mas toda boa história precisa de algum desafio para ser interessante. Qual o principal conflito a ser resolvido pelo herói? Ao responder essa pergunta, você consegue direcionar sua comunicação para o que realmente incomoda seu cliente, e isso irá ressoar emocionalmente com ele. Seu produto é secundário aqui, o que importa é a solução para os problemas do herói.
Falta motivação? "Just do it"! Sempre cansado? Red Bull te dá asas!
Por último, aí sim, é necessário mostrar porque sua você é a marca ideal para guiá-lo nessa jornada e ajudá-lo a superar seus desafios. É a hora de gerar autoridade, mostrar que a sua marca tradicional é a mais experiente, ou o oposto, que a inovação está no seu DNA e que só assim o cliente conseguirá se tornar um profissional de ponta.
No final das contas, o formato e o canal a serem usados se tornam secundários, desde que a estrutura do storytelling seja bem feita e que todas as ações e mensagens do seu marketing estejam alinhados a ela.
Consistência é o segredo de qualquer boa história!
Publicado em 31/03/2020.