Porto Alegre, quinta-feira, 30 de agosto de 2018.
Dia da Conscientização sobre a Esclerose Múltipla.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

Visitação

Notícia da edição impressa de 30/08/2018. Alterada em 30/08 às 14h03min

Mulheres estão em peso na Expointer atrás de novidades

Gisseli, Adriana, Telma e Maria Gorete (esq. p/ dir.) reforçaram que a inserção da mulher mudou no campo

Gisseli, Adriana, Telma e Maria Gorete (esq. p/ dir.) reforçaram que a inserção da mulher mudou no campo


PATRÍCIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
Mulheres ligadas a diversos segmentos do setor primário e até de serviços ligados ao agronegócio aportam no Parque de Exposições Asis Brasil, em Esteio, com mais intensidade desde essa quarta-feira 929) quando começaram a chegar as caravanas de agricultores. Os grupos vêm de diversas regiões do Estado e também de estados como a vizinha Santa Catarina. Elas percorreram estandes e buscaram muita interação e troca de experiência. 
Em turmas, as visitantes mostraram envolvimento com os temas do campo, principalmente com a necessidade de maior participação nas decisões sobre os rumos de propriedades e até nas definições do setor. Pelos corredores, era possível ver o vai e vem de muitas delas, que capricharam no visual e não deixavam de parar em cada área que compõe o roteiro. "O que já vimos mostra que tem muita novidade. É muita inovação e a gente quer levar para a nossa produção", disse a presidente da Associação dos Bananicultores de Criciúma, Adriana Rosso, que veio ao Estado com mais três criciumenses.
"A gente vem conhecer os estandes e trocar experiências", observa Gisseli Armani, que atua na Sicredi. Telma Dal Molin Menegon, que é bananicultora, diz que as mulheres estão assumindo a liderança da propriedade. "Sou uma empresária rural", disse Telma, ganhando apoio das outras catarinenses sobre a denominação, deixando em segundo plano a referência à bananicultora. Já Maria Gorete Natal Milak, presidente do Sindicato dos Trabalhadores Rurais de Criciúma, reforça que cada vez mais as trabalhadores rurais estão se ocupando da gestão e buscando espaço.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/08/29/206x137/1_img_9151-8455561.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5b870ad169b3e', 'cd_midia':8455561, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/08/29/img_9151-8455561.jpg', 'ds_midia': 'Irene Fleck Dias foi ao parque com o marido Erci Pedro da Silva Dias', 'ds_midia_credi': 'PATRÍCIA COMUNELLO /ESPECIAL/JC', 'ds_midia_titlo': 'Irene Fleck Dias foi ao parque com o marido Erci Pedro da Silva Dias', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '600', 'align': 'Left'}
Erci garante que 80% da decisão e da mulher na gestão da pequena propriedade  
O casal Irene Fleck Dias e Erci Pedro da Silva Dias moram em São Leopoldo e tem uma pequena propriedade na área rural deNovo Hamburgo onde criam animais e têm horta. Parte da produção é vendida, e Irene, que é psicoterapeuta, diz que participa nas decisões. "Eu participo em tudo que precisa, na medicação, tratamento de animais em tudo. Ajudo parelho, ele sozinho não dá", diz a psicoterapeuta. "Ela decide 80% do que temos de fazer", garante o marido. Irene comentou que quis ir a Esteio para ver se pegava algum leilão devaca Jersey. "Fui criado no rural, e ela na cidade, mas ela gosta bem mais."
O quinto dia da feira, que termina no próximo domingo, somou fluxo de 44,6 mil pessoas até as 17h e repetiu a sequência de sol, com dia mais quente até agora na edição da feira. Desde o começo da Expointer, o parque registra 227,2 mil visitantes. A agricultura familiar, cujo pavilhão está sempre com movimentação ininterrupta, alcançou alta de 111% na receita em vendas de sábado a terça-feira, frente ao mesmo período de 2017. De faturamento de R$ 706,3 mil, o setor já bateu em quase R$ 1,5 milhão.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia