Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 20 de junho de 2017. Atualizado às 22h27.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

cinema

Notícia da edição impressa de 21/06/2017. Alterada em 20/06 às 17h18min

Leandra Leal lança documentário Divina Divas

Leandra Leal estreia na direção com o documentário

Leandra Leal estreia na direção com o documentário


/DARYAN DORELLES/DIVULGAÇÃO/JC
Sentada em uma cadeira em sua casa, no Rio de Janeiro, de peruca curtinha de cor chocolate, blusa e brincos de estampa de oncinha e longas unhas postiças vermelhas, Fujika de Halliday pergunta, com um riso tímido: "Eu sou diva, será?" Diva, diz a atriz, é palavra e coisa muito séria. "Diva é diva, né? São essas mulheres maravilhosas, como a Maria Callas."
Para a diretora Leandra Leal, Fujika é uma diva, sim, assim como Brigitte de Búzios, Camille K., Divina Valéria, Eloína dos Leopardos, Jane Di Castro, Marquesa e Rogéria, artistas travestis pioneiras no Brasil, que são retratadas no documentário Divinas Divas, com estreia amanhã.
"Elas são divas para mim. São pessoas que colocam a arte acima de tudo, que têm dignidade e dedicação à sua arte. Diva é ter isso acima de tudo", diz Leandra, 34 anos, por telefone. O longa marca a primeira incursão na direção da conhecida atriz de televisão e cinema, ganhou prêmios do público nos festivais do Rio e no americano SXSW.
Apesar de dialogar bastante com a comunidade LGBT, Divinas Divas não tem pretensão de tratar a questão de identidade de gênero no Brasil. Está mais para um filme de amor à arte feito por uma artista para suas colegas.
"Fiz um filme sobre oito artistas que admiro, não fiz um documentário sobre travestis, sobre trans. Claro que, por elas serem pioneiras, acabam contando muito da história do travestismo no Brasil, mas não é essa a intenção", diz. A diretora, contudo, espera que o longa ajude a diminuir preconceitos no Brasil. "Um dos maiores elogios que ouvi após uma sessão foi: 'Nunca mais vou olhar um travesti como eu olhava'."
No início do documentário, Leandra explica, por meio de uma narração em off, de onde vem sua relação com essas artistas que nasceram homens, mas decidiram se vestir (e/ou viver) como mulheres, no palco ou fora dele. Foi nos bastidores do Teatro Rival, no Rio de Janeiro, que pertenceu ao avô de Leandra, Américo Leal, que muitas dessas performers se apresentaram a partir dos anos 1960.
Em uma de suas falas, Leandra conta as memórias das festas e espetáculos do Rival e das lembranças de seu pai e seu padrinho, que eram gays. A atriz conta que, após três anos montando o filme, decidiu se colocar também na obra. "Assim como elas estavam expostas, achei que eu tinha que me expor."
Em 2004, quando o Rival completou 70 anos, a mãe de Leandra, a também atriz Angela Leal, convidou Jane Di Castro para montar o espetáculo Divinas Divas. A partir dali, Leandra passou a conviver com as personagens de seu filme.
Anos depois, ela, que se imaginava estreando na direção com uma ficção, decidiu que faria um documentário sobre as artistas. Para conseguir filmar, Leandra fez um crowdfunding em 2013 e arrecadou pouco mais de R$ 150 mil. A atriz, na época, não conseguiu patrocínios. "Tive recusas por causa dos temas, falar de travestis e de envelhecimento, dois tabus que existem no Brasil", relembra.
O filme mostra os ensaios do show Divinas Divas, assim como o espetáculo em si, além de trazer ótimos depoimentos das artistas. Fotos, jornais e filmes servem para costurar e contextualizar as histórias contadas, muitas da época da ditadura.
Algumas passagens são tristes, como a das internações em sanatórios de Marquesa (que morreu em 2015, aos 71 anos) e Brigitte, para se "curarem". Há também momentos de riso e deboche - por exemplo, de Rogéria, 74 anos, ao se definir como "o travesti da família brasileira".
Para Jane Di Castro, 69 anos, essa mistura de emoções e uma certa nostalgia são coisas ótimas do filme. "Acho importante falar das nossas dificuldades. A gente era presa se saísse de mulher na rua. Essas trans novas reclamam muito da liberdade, imagina na nossa época", conta.
Rogéria acha que o filme estreia num momento oportuno. "Houve um retrocesso terrível na democracia. As pessoas não respeitam professores, as mulheres continuam apanhando. As bichas reclamam, mas as mulheres apanham muito."
Para ela, o longa pode ajudar a mudar a visão de algumas pessoas. "Os gays são seres humanos maravilhosos. Os grandes nomes da arte, Oscar Wilde, Tennessee Williams, tudo gay. Mas, para ser gay, tem que ser inteligente. A bicha que não estuda vai ficar a ver navios."
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia