Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 13 de dezembro de 2016. Atualizado às 19h15.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

MÚSICA

Notícia da edição impressa de 14/12/2016. Alterada em 13/12 às 16h51min

Grupo Ccoma se apresenta na Concha Acústica do Theatro São Pedro

Ccoma faz show na Concha Acústica do Theatro São Pedro

Ccoma faz show na Concha Acústica do Theatro São Pedro


GUIGO DEDECECK/DIVULGAÇÃO/JC
Ricardo Gruner
"Onze anos como um projeto não dá, né? Uma hora tem que se realizar." A frase é de Luciano Balen, percursionista do grupo Ccoma - que antes assinava como Projeto Ccoma. Em Subtropical temperado, quarto disco do duo formato por ele e pelo trompetista Roberto Scopel, a virada de página veio com o acréscimo da cantora Etiene Nadine e do baixista e acordeonista Rafael De Boni. O registro foi contemplado em edital da Natura Musical e pode ser conferido ao vivo hoje à noite.
Com mistura de música eletrônica, compactos brasileiros dos anos 1970 e elementos da produção típica dos pampas, os caxienses sobem ao palco da Concha Acústica do Theatro São Pedro (praça Mal. Deodoro, s/nº). O espetáculo acontece às 19h, com entrada franca. Em caso de chuva, a atividade será transferida para a sala de música do teatro, no mesmo endereço.
O disco é o primeiro desde Peregrino, que em 2013 venceu o 24º Prêmio da Música Brasileira na categoria álbum eletrônico. Nem o reconhecimento nacional, entretanto, fez com que a dupla investisse em ideias repetidas. A agregação de novos integrantes se enquadra nessa ideia: "Queríamos mexer um pouco no gênero que estávamos fazendo, sermos mais populares e abrirmos um diálogo", afirma ele. "Então foi natural colocar uma cantora", completa, ressaltando que até então o Ccoma era essencialmente instrumental.
A entrada de Etiene Nadine e de Rafael De Boni não é definitiva - ou ao menos não foi concebida de tal maneira. Assim como ocorre em grupos europeus do cenário eletrônico, a ideia era trabalhar com colaborações. Conforme Balen, a dupla entrou para esse disco e para a temporada de shows sem compromissos futuros. Mas a repercussão tem sido boa - e a tendência é que o quarteto trabalhe junto novamente.
A adesão dos dois não passa despercebida em Subtropical temperado. O registro conta com releituras de Casamento da Doralícia, um clássico regional gravado nos anos 1950 pelos Irmãos Bertussi, e de Aprendendo a jogar, composição de Guilherme Arantes conhecida pela interpretação de Elis Regina. O acordeão e a voz, portanto, são protagonistas - mas sem deixar o experimentalismo de lado. Em Aprendendo a jogar, por exemplo, há alusões ao afrobeat e ao funk carioca.
Segundo Balen, o processo criativo por trás do disco envolve muita audição - às vezes, em encontros para tomar café e escutar música às 9h da manhã. A lista de referências ainda inclui ritmos latinos, o som de sintetizadores e timbres que moldaram o final dos anos 1970 e o começo dos anos 1980, e elementos do Pampa. "A composição de música eletrônica não tem regras, cada faixa sai de um jeito", afirma o percussionista. "Aço pessoa era originalmente um reggae. Aí um dia, na pesquisa, nós estávamos escutando um disco da Donna Summers e encontramos o caminho", exemplifica.
Já a incorporação dos elementos tradicionais do cancioneiro gaúcho passou por um período de resistência. A ideia surgiu ao longo da circulação por festivais de música - onde o público esperava do Ccoma referências regionais. "Nós só tínhamos uma música assim para mostrar, então fomos pesquisar. Primeiro, houve um esforço, mas agora não temos mais resistência, pelo contrário. Entendemos que nossa música é linda", conta ele, que é produtor do Festival Brasileiro de Música de Rua, na Serra.
Como músico ou agitador cultural, o caxiense é frequentador de eventos em outras partes do País. Na sua visão, o Brasil está aberto, sim, aos sons vindos do Rio Grande do Sul, desde que seja algo novo ou de raiz. Nesse sentido, tem visto boa recepção de Subtropical temperado - sobretudo na fusão do acordeon com as batidas eletrônicas. "Buscamos essa visibilidade maior fora do Estado. Claro que aqui é importante, mas quando se é respeitado fora parece mais fácil ser respeitado em casa", encerra ele, comemorando a lista de contemplados na nova edição do edital da Natura Musical.
Os selecionados gaúchos que ganharam aporte para realização de seus próximos trabalhos são a cantora e compositora Dom La Nena, a banda Dingo Bells, um encontro entre Renato Borghetti e Yamandu Costa, e o grupo Quinteto Persch.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia