Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 07 de setembro de 2016. Atualizado às 22h14.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

Música

Notícia da edição impressa de 08/09/2016. Alterada em 07/09 às 20h05min

Jorge Vercillo volta a Porto Alegre e relembra sucessos da carreira

Jorge Vercillo toca na Capital com a turnê de seu novo disco

Jorge Vercillo toca na Capital com a turnê de seu novo disco


ARQUIVO PESSOAL/DIVULGAÇÃO/JC
Luiza Fritzen
Após cinco anos sem se apresentar em Porto Alegre, o cantor e compositor carioca Jorge Vercillo quebra o jejum de shows na capital gaúcha neste sábado. Relembrando sucessos de seus mais de 22 anos de carreira e trazendo canções inéditas, Vercillo sobe ao palco do Opinião (José do Patrocínio, 834), às 20h, com a turnê de seu último CD Vida é arte. Os ingressos custam de R$ 50,00 a R$ 100,00 e podem ser adquiridos na loja Youcom e na Multisom Andradas.
O mais recente trabalho de estúdio do músico chegou às lojas e aos serviços de streaming no início deste ano e teve uma montagem diferente dos álbuns anteriores. Algumas das músicas foram lançadas pelo artista através do projeto Extra-Físico, que disponibilizava, a cada mês, uma nova composição do cantor na internet. A faixa que deu início à produção foi o reggae Talismã sem par, que mistura balada pop com a pegada de sucesso radiofônico, caraterísticas presentes em outros trabalhos do artista.
Somando mais de duas décadas de carreira, Vercillo conta as vantagens de estar na estrada há tanto tempo. "A gente fica mais livre, perde os dogmas e fica descompromissado e mais à vontade para criar, e, ao mesmo tempo, apresenta uma obra mais consolidada e sedimentada."
Indicado cinco vezes ao Grammy Latino, o artista cita dois importantes momentos que marcaram sua trajetória, como o sucesso da música Final feliz, gravada com a participação de Djavan, que também ganhou as vozes de Alexandre Pires e Caetano Veloso, e o hit Quem nem maré, música mais tocada nas rádios em 2002.
O músico carioca, que já fez parceria com grandes nomes da MPB como Maria Bethânia, Ana Carolina e Marcos Valle, traz nas 13 faixas de Vida é arte colaborações com nomes mais conhecidos da música nacional e cantores da nova geração, dentre eles os participantes do The Voice Brasil Luana Mallet e Junior Meirelles. O compositor Carlinhos Brown participa da canção Silêncio na favela, que, como conta Vercillo, foi inspirada em um grito ecoado nos estádios quando o Flamengo, time do cantor, perdeu uma partida.
"Sempre achei esse canto muito preconceituoso e resolvi escrever essa música com um foco mais social e de igualdade entre as torcidas, citando até mesmo a rivalidade da dupla Gre-Nal." O cantor, tecladista e pianista Flávio Venturini e o multi-instrumentista pernambucano Dudu Falcão também participaram do disco. "É um álbum plural, versátil, como a maioria dos discos que marcaram a diversidade da música brasileira", afirma Vercillo.
Jorge Vercillo iniciou sua carreira nos anos 1990 com apresentações na noite carioca e participando de festivais, emplacando algumas de suas músicas nas trilhas sonoras de novelas. Foi graças ao seu terceiro disco, Leve, em 1999, que o músico alcançou o estrelato nacional. Ao todo, são 10 álbuns de estúdio, três registros ao vivo de shows, além de duas coletâneas. Em 2006 e 2007, o cantor venceu o prêmio TIM de Melhor Cantor Eleito por Voto Popular. Declarado um apaixonado pela música, Vercillo afirma que sua maior inspiração é o poder transformador da música e que o que lhe inspira a seguir compondo "é a vida e poder falar de novas ideias e novas propostas através de uma letra".
Segundo o músico, a relação com os gaúchos sempre foi boa, e sua ausência em Porto Alegre faz com que o show deste sábado se torne uma oportunidade para matar a saudade. Como justificativa para o hiato entre seus shows, Vercillo cita a dificuldade de penetrar no mercado daqui. "O meio musical do Sul tem uma certa independência em relação ao resto do Brasil, o que, por um lado, é positivo; mas, ao mesmo tempo, os priva de conhecer e ter acesso a alguns shows a mais", explica.
O repertório do show inclui também os hits Ela une todas as coisas, Que nem maré, Fênix, MonalisaEncontro das águas. As participações especiais ficam por conta dos músicos gaúchos Serginho Moah e Eduardo Garcia, convidados para cantar ao lado de Jorge Vercillo.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia