Porto Alegre, domingo, 23 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Finanças e investimentos

COMENTAR | CORRIGIR

Educação Financeira

10/11/2019 - 16h22min. Alterada em 01/01 às 04h04min

Olimpíada testa gestão financeira de crianças e adolescentes

Alunos de diversas idades responderam a temas de educação financeira

Alunos de diversas idades responderam a temas de educação financeira


PATRICIA COMUNELLO/ESPECIAL/JC
Eles não podem nem trabalhar, não ganham seu próprio dinheiro, no máximo, têm de gerir a mesada, mas já estão testando conhecimentos básicos de como fazer a melhor gestão financeira. Este foi o clima entre os 40 finalistas da 1ª Olimpíada Brasileira de Educação Financeira (OBEF), que ocorreu em 9 de novembro, em Porto Alegre e outras capitais pelo País.
Eles não podem nem trabalhar, não ganham seu próprio dinheiro, no máximo, têm de gerir a mesada, mas já estão testando conhecimentos básicos de como fazer a melhor gestão financeira. Este foi o clima entre os 40 finalistas da 1ª Olimpíada Brasileira de Educação Financeira (OBEF), que ocorreu em 9 de novembro, em Porto Alegre e outras capitais pelo País.
A iniciativa foi liderada por um grupo da Faculdade de Ciências Econômicas (FCE) da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (Ufrgs) e atrair professores e pais de participantes classificados nas duas etapas anteriores de diversas cidades gaúchas.
#finVÍDEO: Crianças e pais falam sobre impactos de saber lidar com o dinheiro
Nas três fases, mais de 2 mil alunos das redes de Ensino Básico testaram suas habilidades em responder a questões com temas como juros, o uso do dinheiro, perfil de gastos e outras questões para avaliar o conhecimento em cada nível escolar. De São Luis Gonzaga, quase na fronteira com a Argentina, vieram mães com seus filhos de sete a nove anos. "Aprendendo desde cedo, eles vão saber valorizar mais o dinheiro e saber economizar", diz Ritieli Ferreira Cantini, mãe de Eduarda, oito anos. "A gente aprende o que tem de comprar por necessidade e o que é supérfluo", explica Eduarda.
A coordenadora do projeto e professora da FCE, Wendy Carraro, cita que os temas básicos justamente ajudam a preparar mais os pequenos e até as famílias, pois muitos levam para casa o que aprendem nas escolas. Mais e mais estabelecimentos adotam as lições de educação financeira, seja como uma disciplina ou  e como conteúdo que é inserido em outras áreas do conhecimento.
"Estamos formando indivíduos que vão estar mais preparados para tomar decisões sobre o seu dinheiro", destaca Wendy.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia