Porto Alegre, domingo, 23 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Governo Federal

23/02/2020 - 14h40min. Alterada em 23/02 às 14h42min

Bolsonaro afirma que 'implodiu' Inmetro por 'excesso de zelo' em regra para táxis

'Implodi o Inmetro. Implodi. Mandei todo mundo embora', disse Bolsonaro

'Implodi o Inmetro. Implodi. Mandei todo mundo embora', disse Bolsonaro


ANTONIO CRUZ/AGÊNCIA BRASIL/JC
O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (22) que demitiu a diretoria do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) por causa de uma nova exigência feita pelo órgão a taxistas para troca dos taxímetros. Após o conflito, a presidente do Inmetro, Angela Flores, já havia sido exonerada nesta semana.
O presidente Jair Bolsonaro disse neste sábado (22) que demitiu a diretoria do Instituto Nacional de Metrologia, Qualidade e Tecnologia (Inmetro) por causa de uma nova exigência feita pelo órgão a taxistas para troca dos taxímetros. Após o conflito, a presidente do Inmetro, Angela Flores, já havia sido exonerada nesta semana.
"Implodi o Inmetro. Implodi. Mandei todo mundo embora", disse, lembrando do caso dos taxímetros e da exigência de mudanças de tacógrafos por um modelo digital. "Não temos de atrapalhar a vida dos outros. É facilitar a vida de quem produz. Os novos taxímetros, faça diferente. Os novos tacógrafos, tudo bem. Agora, tirar do pessoal, mandar trocar, não. Vai ter de implodir, cortar a cabeça de todo mundo", afirmou o presidente, que passa o feriado do carnaval no Guarujá, litoral sul de São Paulo.
Questionado sobre quantos foram demitidos, Bolsonaro disse que a presidente e "uma meia dúzia da diretoria" foi dispensada pelo "excesso de zelo". Nesta semana, o governo federal exonerou Angela Flores Furtado da presidência do instituto e nomeou para o lugar dela o coronel Marcos Heleno Guerson de Oliveira Junior. Angela, que é administradora, estava à frente do órgão desde o início do governo Bolsonaro.