Porto Alegre, domingo, 23 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Saúde

23/02/2020 - 14h53min. Alterada em 23/02 às 15h03min

Cientistas descartam que coronavírus tenha origem em mercado em Wuhan

Vírus encontrado no mercado em Wuhan teria vindo originalmente de um outro lugar

Vírus encontrado no mercado em Wuhan teria vindo originalmente de um outro lugar


Son NGUYEN/AFP/JC
Agência Brasil
Pesquisadores na China afirmam que estudos genéticos mostram que o novo coronavírus não teve origem em um mercado de frutos do mar em Wuhan, na província de Hubei, como suspeitava-se inicialmente. O Jardim Botânico Tropical Xishuangbanna da Academia Chinesa de Ciências publicou, em seu site na internet, os resultados de estudos conjuntos com pesquisadores de universidades do país.
Pesquisadores na China afirmam que estudos genéticos mostram que o novo coronavírus não teve origem em um mercado de frutos do mar em Wuhan, na província de Hubei, como suspeitava-se inicialmente. O Jardim Botânico Tropical Xishuangbanna da Academia Chinesa de Ciências publicou, em seu site na internet, os resultados de estudos conjuntos com pesquisadores de universidades do país.
Eles afirmam ter analisado dados genéticos de 93 amostras do vírus coletadas em 12 países. Segundo os resultados, o vírus encontrado no mercado em Wuhan espalhou-se rapidamente a partir daquele local, mas teria vindo originalmente de um outro lugar.
Os pesquisadores afirmam que a conclusão que descartou o mercado como epicentro da epidemia é baseada na análise do momento em que os pacientes ficaram doentes.
O grupo acrescenta que houve aparentemente duas ocasiões em que o vírus se alastrou, primeiro em 8 de dezembro e de novo em 6 de janeiro. De acordo com o estudo, transmissões entre humanos podem ter tido início no começo de dezembro ou até mesmo no fim de novembro.
Ainda segundo os pesquisadores, caso um alerta amplo e significativo tivesse sido feito logo após o crescimento no número de casos no início de janeiro, o alastramento das infecções pelo mundo que acabou ocorrendo a partir do fim daquele mês poderia ter sido menor.
Autoridades sanitárias chinesas anunciaram neste domingo (23) que mais 97 pessoas morreram após serem infectadas pelo novo coronavírus. Com a atualização, o número total de mortes causadas pela doença na China continental chegou a 2.442. A maioria das vítimas morava na província de Hubei.
O site da Johns Hopkins, que monitora os casos no mundo, registra por volta das 15h deste domingo (23) - horário de Brasília -, 78.891 registros confirmados da doença, sendo que 23.386 pessoas se recuperaram e 2.467 acabaram morrendo.      
Ao mesmo tempo, outras províncias chinesas reduziram o nível de emergência de saúde pública após notarem uma queda no número de novos casos.
Nesse sábado (22), a província de Liaoning, no nordeste chinês, anunciou que baixou o nível de 1, o patamar mais perigoso, para 3 em uma escala onde o número 4 é o menos grave. O governo de Liaoning disse que nenhum caso novo do vírus foi detectado desde segunda-feira (17). O novo coronavírus já se espalhou para cerca de 30 países e territórios pelo mundo.