Porto Alegre, domingo, 23 de fevereiro de 2020.

Jornal do Comércio

Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

CORRIGIR

Ceará

23/02/2020 - 14h24min. Alterada em 23/02 às 14h35min

Cid Gomes deixa hospital; dois projéteis continuam no seu corpo

Cid Gomes chegou a transmitir vídeo de dentro do hospital ao lado de médico que o atendia

Cid Gomes chegou a transmitir vídeo de dentro do hospital ao lado de médico que o atendia


CID GOMES/TWITTER/REPRODUÇÃO/JC
O senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) recebeu alta do Hospital Monte Klinikum e já está em casa em Fortaleza onde continuará em reabilitação após ter sido baleado na quarta-feira (19), ao tentar romper com uma retroescavadeira o bloqueio de policiais amotinados num batalhão em Sobral.
O senador licenciado Cid Gomes (PDT-CE) recebeu alta do Hospital Monte Klinikum e já está em casa em Fortaleza onde continuará em reabilitação após ter sido baleado na quarta-feira (19), ao tentar romper com uma retroescavadeira o bloqueio de policiais amotinados num batalhão em Sobral.
Em casa, Cid fará fisioterapia respiratória e tomará antibióticos para restabelecimento da função pulmonar. No sábado (22), ele foi submetido a um exame de raio-x que confirmou a existência de dois projéteis alojados, um ao lado da costela e outro no pulmão esquerdo, e de um fragmento de projétil.
A assessoria do senador informou que, por decisão médica, não serão realizados procedimentos para a retirada desses projéteis.
A tensão envolvendo o governo cearense e policiais militares e bombeiros começou por uma demanda de reajuste salarial em dezembro. Quatro batalhões da PM foram atacados, segundo o governador do Estado, Camilo Santana (PT), aliado político de Cid.
As ações foram feitas por pessoas encapuzadas, mas o governo suspeita de que os responsáveis sejam policiais. Por isso, Santana solicitou o apoio de tropas federais para reforçar a segurança.
No perfil do senador licenciado, foi reproduzido parte do boletim médico: