Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 14 de novembro de 2019.
Dia do Bandeirante.

Jornal do Comércio

Cultura

COMENTAR | CORRIGIR

Cinema

Edição impressa de 14/11/2019. Alterada em 14/11 às 03h00min

Documentário 'Diz a ela que me viu chorar' acompanha rotina de viciados em crack

Filme da diretora e antropóloga Maíra Bühler foi ambientalizado em produzido em São Paulo

Filme da diretora e antropóloga Maíra Bühler foi ambientalizado em produzido em São Paulo


LÉO BITTENCOURT/VITRINE FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
A rotina de moradores de um hotel no Centro de São Paulo é acompanhada pelo olhar da diretora Maíra Bühler em Diz a ela que me viu chorar. O documentário foi ambientado e produzido em São Paulo com participantes de um programa municipal de redução de danos provocados pelo uso excessivo de crack e que pode ser extinto.
A rotina de moradores de um hotel no Centro de São Paulo é acompanhada pelo olhar da diretora Maíra Bühler em Diz a ela que me viu chorar. O documentário foi ambientado e produzido em São Paulo com participantes de um programa municipal de redução de danos provocados pelo uso excessivo de crack e que pode ser extinto.
Também antropóloga, Maíra busca assumir o desafio de realizar cinema não sobre os personagens, mas sim com eles. Em um ambiente de escadas circulares, viagens de elevador, quartos decorados e ao som das músicas do rádio, os personagens estão inseridos em um espectro da solidão, com o longa retratando este grupo que é reunido por laços fortes em um abrigo frágil.
A estreia mundial de Diz a ela que me viu chorar aconteceu durante o True/False Film Festival. O documentário ganhou o prêmio de Melhor Filme no 8º Olhar de Cinema e de Melhor Filme pela Associação de Críticos de Cinema do Uruguai durante o 37º Festival Cinematrográfico Internacional Del Uruguay.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia