Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 08h49.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

Festival de Gramado

Notícia da edição impressa de 18/08/2017. Alterada em 21/08 às 08h50min

Otto Guerra e Festival de Cinema de Gramado: trajetórias que se cruzam

Cineasta gaúcho Otto Guerra recebe Troféu Eduardo Abelin na Serra

Cineasta gaúcho Otto Guerra recebe Troféu Eduardo Abelin na Serra


MARCELO G. RIBEIRO/JC
Caroline da Silva
Com 61 anos de vida e seu estúdio próprio completando 39 anos de fundação nesta semana, o porto-alegrense Otto Guerra recebe neste sábado, em Gramado, no palco do Palácio dos Festivais, o Troféu Eduardo Abelin - láurea que o Festival de Cinema destina a realizadores nacionais.
A abertura oficial do 45º Festival de Cinema de Gramado ocorre nesta sexta-feira, às 17h, na Rua Coberta. Haverá apresentação da Orquestra Sinfônica de Gramado, sob a regência de Bernardo Grings, com participação do maestro João Carlos Martins e dos solistas Alexsander Castro (flauta indígena) e Julio César Wagner (oboé). 
O destacado pianista e regente da música brasileira e internacional vem à serra gaúcha para a exibição do longa-metragem que abre as sessões de cinema no Palácio dos Festivais, à noite. Com direção de Mauro Lima, entrando nas salas de cinema de todo o País, estreia a cinebiografia João, o maestro, protagonizada por Alexandre Nero. O ator e a atriz Alinne Moraes também confirmação presença na exibição especial, fora de competição na mostra de longas nacionais. 
O nome de Otto Guerra surgiu para o destaque pelo conjunto da obra em função de 2017 ser também o marco dos 100 anos da animação no País. E o gaúcho - diretor dos longas Rocky & Hudson (1994), Wood & Stock: Sexo, Orégano & Rock 'n' Roll (2006) e Até que a Sbórnia nos separe (2013) - é uma das maiores referências do gênero no Brasil. Muito bem-humorado, o realizador brinca que nunca imaginou viver este momento da sua área de atuação, em que um longa nacional até foi indicado ao Oscar (O menino e o mundo, 2016). "Agora, há 25 filmes de animação em produção no Brasil. Quando eu nasci, eram três."
Talvez por esta celebração em números, o cineasta demonstre tanto receio quanto aos rumos do audiovisual feito neste país-continente. Guerra teme que o atual governo acabe com a Ancine (Agência Nacional do Cinema), fruto de uma organização entre os profissionais do setor para viabilizar a Retomada do Cinema Brasileiro, após o ex-presidente Fernando Collor extinguir a Embrafilme. Muito ligado ao cenário político, atuante nesse processo todo, o gaúcho gosta de resgatar este contexto histórico, para poder opinar sobre a conjuntura da cadeia produtiva nos dias de hoje.
Otto Guerra sempre comenta que seu traço teve grande influência do belga Hergé, autor de quadrinhos como As Aventuras de Tintim, mas que sua atividade demandou muita paixão e dedicação. Ele elogia títulos como A Bela Adormecida (Disney, 1959), que - segundo o produtor - foi a primeira animação a ter presença marcante da direção de arte, e A viagem de Chihiro, de Hayao Miyazaki, da qual exalta a beleza.
Até pouco tempo, o porto-alegrense não tinha uma formação tradicional. Chegou a estudar Direito e Comunicação, sem finalizar os cursos. Conta que entrou na Filosofia pensando nos seus roteiros, pelo conteúdo e capacidade de expressão, porém esbarrou no pensamento lógico do programa da disciplina e desistiu. Ironizou que é importante ter diploma nesses tempos difíceis, para afirmar que completou em 2010 uma graduação da Unisul (Universidade do Sul de Santa Catarina), Multimídia Digital.
Para celebrar os títulos de Guerra, o evento oferece uma mostra especial de filmes do diretor. A seleção, que traz obras como os curtas O Natal do Burrinho (1984), O Reino Azul (1989), O Arraial (1997) e Nave Mãe (2004), terá sessões diárias, às 11h, no Museu do Festival de Cinema de Gramado. Programação completa em www.festivaldegramado.net.

Programação do Festival de Gramado

Sexta-feira
  • 17h Abertura Oficial com apresentação da Orquestra na Rua Coberta
  • 19h Palácio dos Festivais
       Sessão de Abertura: João, o Maestro, de Mauro Lima
  • 21h30min - Palácio dos Festivais
       Mostra de longas nacionais: O Matador, de Marcelo Galvão (sessão com audiodescrição)
Sábado
Palácio dos Festivais:
  • 13h Sessão Curtas: Mostra Gaúcha 1
  • 19h Curta nacional O Espírito do bosque, de Carla Saavedra Brychcy
       Longa estrangeiro Mirando al cielo, de Guzmán García
  • 21h Curta nacional Postergados, de Carolina Markowicz
       Longa nacional Como nossos pais, de Laís Bodanzky
Domingo
Palácio dos Festivais:
  • 13h Sessão Curtas: Mostra Gaúcha 2
  • 19h Curtas nacionais Médico de monstro, de Gustavo Teixeira, e A GIS, de Thiago Carvalhaes
        Longa brasileiro As duas Irenes, de Fabio Meira
  • 21h30min Premiação Mostra Assembleia Legislativa de Curtas Gaúchos
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia