Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 21 de agosto de 2017. Atualizado às 08h09.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

Mercado Financeiro

Alterada em 21/08 às 08h09min

Bolsas da Ásia e do Pacífico fecham sem direção única

As bolsas da Ásia e do Pacífico fecharam sem direção única nesta segunda-feira (21), com os investidores acompanhando os desdobramentos políticos nos EUA e o início de exercícios militares conjuntos de tropas americanas e sul-coreanas na Península Coreana.
Em Seul, o índice Kospi recuou 0,14%, a 2.355,00 pontos, no primeiro de onze dias previstos dos exercícios militares anuais dos EUA e da Coreia do Sul, que ocorrem poucas semanas após uma acalorada troca de ameaças entre Washington e o regime da Coreia do Norte.
No Japão, o tom do mercado em Tóquio também foi negativo, influenciado pelo fraco desempenho de ações dos setores financeiro e exportador. O Nikkei encerrou o dia com queda de 0,40%, a 19.393,13 pontos, seu menor patamar desde 1º de maio.
Na China, por outro lado, as bolsas avançaram em meio à retomada dos negócios com ações da operadora de telecomunicações China Unicom, que atingiu o limite diário de valorização de 10% em Xangai, após divulgar resultados semestrais na semana passada e um plano de reforma societária que recebeu o aval de Pequim ontem. A Unicom não era negociada desde 31 de março. O índice Xangai Composto subiu 0,56%, a 3.286,91 pontos, enquanto o Shenzhen Composto garantiu alta de 0,74%, a 1.916,42 pontos.
Também continua no radar o intrincado cenário político em Washington, que dificulta a eventual implementação de reformas favoráveis aos negócios pelo governo dos EUA mais adiante. Na semana passada, o presidente Donald Trump decidiu desfazer dois conselhos consultivos formados por executivos proeminentes. Vários desses executivos haviam renunciado antes do anúncio devido a comentários polêmicos de Trump sobre o recente confronto entre supremacistas e um grupo opositor em Charlottesville, na Virgínia.
Na sexta-feira (19), porém, gerou certo alívio a demissão do estrategista-chefe do governo americano, Steve Bannon, considerado um dos opositores do diretor do Conselho Econômico Nacional, Gary Cohn, que lidera as reformas econômicas prometidas por Trump.
Em outras partes da região asiática, o Hang Seng avançou 0,40% hoje em Hong Kong, a 27.154,68 pontos, enquanto o Taiex mostrou ganho marginal de 0,05% em Taiwan, a 10.326,39 pontos. Em Manila, o mercado filipino não operou devido a um feriado nacional.
No fim da semana, a atenção dos investidores vai se voltar para o simpósio anual do Federal Reserve (Fed, o banco central dos EUA) em Jackson Hole (Wyoming), que contará com a presença dos presidentes do Fed, Janet Yellen, e do Banco Central Europeu (BCE), Mario Draghi.
Na Oceania, a bolsa australiana ficou no vermelho pelo terceiro pregão seguido e o S&P/ASX 200 caiu 0,37% em Sydney, a 5.725.90 pontos, apesar do avanço de papéis de mineradoras e de petrolíferas. No setor minerador, destaque para a Fortescue, cuja ação saltou 6,36%, após a quarta maior exportadora de minério de ferro do mundo anunciar que mais do que dobrou seu lucro no ano fiscal encerrado em junho.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia