Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 10 de agosto de 2016. Atualizado às 19h58.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

acontece

Notícia da edição impressa de 11/08/2016. Alterada em 10/08 às 17h08min

Trajetória relembrada

A partir das 19h, o romance político-policial O sargento, o marechal e o faquir (Libretos, 272 págs., R$ 35,00), de Rafael Guimaraens, tem pré-lançamento na Fundação Ecarta (João Pessoa, 943). O livro resgata a trajetória do sargento Manoel Raymundo Soares, vítima do chamado caso das mãos amarradas - que completa 50 anos. Participam do evento o autor e os convidados Carlos Frederico Guazzelli, advogado e coordenador da Comissão Estadual da Verdade/RS (2012-2014), e Suzana Lisbôa, da Comissão de Familiares de Mortos e Desaparecidos Políticos.
No livro, Guimaraens traça um perfil do personagem, que mudou-se para o Rio de Janeiro para servir ao exército. Ele se tornou um dos líderes do movimento dos sargentos pelas reformas de base, durante o governo João Goulart, e também contra a ditadura implantada em 1964 - após expulsão do exército. A segunda parte do livro mostra a investigação policial em torno do assassinato do ex-sargento, em agosto de 1966, após permanecer cinco meses preso na Ilha do Presídio, em Porto Alegre.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia