Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 11 de agosto de 2016. Atualizado às 17h43.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Impeachment

10/08/2016 - 19h48min. Alterada em 10/08 às 19h47min

Com representação na OEA, PT diz que órgão tem poder para suspender impeachment

A Organização dos Estados Americanos (OEA) tem capacidade de suspender o impeachment da presidente afastada Dilma Rousseff e colocá-la de volta no cargo que ocupava, argumentam deputados do PT. Os parlamentares protocolaram na noite desta terça-feira (9), uma representação na Corte Interamericana de Direitos Humanos, que é parte da OEA, pedindo medidas cautelares antes da conclusão do processo no Senado.
Uma das advogadas que elaborou a representação, Camila Gomes explica que o Brasil faz parte e reconhece a jurisdição da Corte Interamericana de Direitos Humanos. "Isso significa que terá que obedecer a decisão", disse. Segundo ela, o descumprimento de um veredicto da OEA geraria constrangimento internacional para o Brasil. "Não tem uma polícia que vai cobrar que o Estado brasileiro cumpra, mas podemos questionar o descumprimento".
Os parlamentares apresentam no pedido supostas irregularidades cometidas em desfavor de Dilma. Questionam, por exemplo, o uso, por parte dos deputados, de argumentos alheios ao processo, quando determinaram a continuidade do impeachment.
Explicam também que o presidente em exercício, Michel Temer, não enfrenta o mesmo processo, quando é acusado de ter cometido as mesmas infrações alegadas no caso de Dilma - com a edição de decretos de crédito suplementar sem aval do Congresso.
Em outro trecho, os aliados de Dilma argumentam que ela foi afastada sem que houvesse qualquer tipo de condenação penal. "Foi demandado, por parte dos peticionantes e das vítimas, em mais de uma oportunidade ao longo do processo, a intervenção do Supremo Tribunal Federal. Este rechaçou qualquer possibilidade de intervenção no processo", argumentam.
O texto foi elaborado por juristas e advogados do Brasil e da Argentina, com experiência em casos e litígios no Sistema Interamericano de Direitos Humanos.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
MUSTIKA OEI 11/08/2016 17h36min
Essa turma do pt só envergonham o pais com essas solicitações sem pé nem cabeça,deveriam pedir desculpas ao povo pelos os 11 milhões de desempregados e pela rapinagem na petrobras