Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de junho de 2016. Atualizado às 19h20.

Jornal do Comércio

Viver

COMENTAR | CORRIGIR

Teatro

Notícia da edição impressa de 17/06/2016. Alterada em 16/06 às 18h09min

Começa a 8ª edição do Festival Internacional de Teatro de Rua na Capital

Festival leva o teatro para espaços públicos

Festival leva o teatro para espaços públicos


PAULO CARVALHO /DIVULGAÇÃO/JC
Michele Rolim
Apesar do momento tumultuado nas esferas sociais, políticas e econômicas, o Festival Internacional de Teatro de Rua de Porto Alegre resiste. A 8ª edição, totalmente gratuita, começa neste domingo e segue até o dia 28 de junho.
Com coordenação, curadoria e direção artística de Alexandre Vargas, neste ano apresenta 17 atrações internacionais e nacionais, além de atividades formativas e reflexivas. "O encontro entre o espectador e o criador cênico é primordial para a recuperação dos vínculos neste contexto que estamos vivendo", avisa Vargas, sobre a importância da programação que atinge diversas regiões da cidade e apresenta múltiplas linguagens das manifestações cênicas da rua.
Uma das novidades é a aplicação do resultado da campanha intitulada "Vote na escolha dos bairros que receberão espetáculos em 2016", com a qual moradores solicitaram as encenações de rua através de redes sociais e site. Dos 81 bairros oficiais da Capital, 85% pediram a presença das apresentações de rua.
Outro ponto decisivo é a criação do eixo Espaços singulares. "Deslocamos o foco dos territórios cênicos para uma cidade com contornos plurais, com alguns espetáculos projetados para inscrever o festival no imaginário da cidade", comenta Vargas.
É o caso de uma das atrações deste domingo, Kassandra, da Cia La Vaca (SC), que acontece em uma casa de diversão adulta do bairro Cidade Baixa, às 21h. O espetáculo faz parte de um movimento internacional - ele é sempre produzido por uma equipe diferente de artistas, mantendo como ponto de contato apenas a ideia do texto do dramaturgo franco-uruguaio Sergio Blanco, que escreveu Kassandra em uma versão atualizada com referências que vão desde os clássicos gregos até os elementos do imaginário da cultura pop.
Outro espetáculo que desloca o território cênico é Odiseo.com, do Grupo Teatral (E)xperiência Subterrânea (SC) com o Centro Latinoamericano de Creación e Investigación Teatral, da Argentina. A peça tem texto de Marco Antonio de La Parra sobre um cantora e seu amante. São três situações que combinam planos ficcionais captados por webcam em tempo real cujas ações são encenadas em três países: Brasil, Argentina e Alemanha. Em Porto Alegre, a montagem poderá ser vista na Estação Filmes (Taquary, 128).
Também integra o eixo de espaços singulares a peça Shakespeare inédito, que será apresentado no Cemitério da Santa Casa (Oscar Pereira, 423). A montagem reúne os personagens emblemáticos do autor inglês, em uma dramaturgia e proposta diferente em cada apresentação criada no mesmo dia pelo diretor Ricardo Behrens, que combina elementos gerados pelo público e pelos atores.
Segundo o diretor artístico, um dos elementos mais vanguardistas dessa edição é do artista paranaense Maikon K, a obra DNA de DAN. Conhecido por ser pupilo de Marina Abramovic, ele realiza uma performance de cinco a seis horas dentro de uma bolha plástica.
Neste ano, o festival é dedicado à atriz, produtora e professora de teatro Anna Fuão, recentemente falecida. Ela era integrante da Usina do Trabalho do Ator (UTA), que apresenta o espetáculo Dança do tempo. O Grupo Trilho será homenageado pelos 10 anos de trajetória e chega com o espetáculo Umbigo.
Também integram a programação os gaúchos El Juego de Antonia, Brechó da Humanidade, As aventuras do Fusca a vela, Puli-pulá e As bodas da filha do bandoleiro.
Na linha de peças circenses e de palhaços estão Um sorriso vale mais de mil palavras, Faixa de graça, A mulher do atirador de facas, Eu e Ela na janela e Crianças. Na programação formativa e reflexiva, o festival apresenta o seminário As manifestações cênicas de rua - processos e críticas, o workshop Ouvidoria e uma atividade na Escola de Espectadores de Porto Alegre. A programação completa está no site http://ftrpa.com.br.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia