Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 16 de junho de 2016. Atualizado às 18h21.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

16/06/2016 - 18h21min. Alterada em 16/06 às 18h21min

Petróleo fecha em queda em meio a preocupações com plebiscito no Reino Unido

Os contratos futuros de petróleo fecharam em queda pela sexta sessão consecutiva nesta quinta-feira, 16, a maior série sequencial de perdas desde fevereiro. A aversão ao risco tem sido motivada por preocupações dos investidores com a possibilidade de que o Reino Unido saia da União Europeia (UE), movimento apelidado de Brexit.
Na New York Mercantile Exchange (Nymex), o WTI para julho fechou em queda de 3,74% (-US$ 1,80), a US$ 46,21 o barril. Na Intercontinental Exchange (ICE), o Brent para agosto recuou 3,63% (-US$ 1,78), a US$ 47,19 por barril.
Nos últimos dias, o mercado como um todo tem sido afetado pelo Brexit e a situação se tornou ainda mais complicada hoje após a morte da deputada trabalhista Jo Cox, baleada no começo da tarde. O motivo do ataque ainda está sendo investigado pela polícia britânica. Jo Cox era favorável à permanência do Reino Unido na UE.
Segundo o presidente da Infrastructure Capital Advisors, Jay Hatfield, a queda do petróleo é "agravada pela fraqueza do mercado em relação ao medo do Brexit, uma vez que os preços da commodity estão relacionados ao mercado de ações". Para ele, os preços do petróleo devem ficar entre US$ 45 e US$ 55 até o fim do ano, com US$ 50 sendo um ponto de inflexão.
"Nós acreditamos que, quando os preços do petróleo estão acima de US$ 50, algumas regiões dos EUA veem vantagens econômicas para produzir, e temos notado uma série de ofertas de ações de empresas de produção e exploração de petróleo com o objetivo de financiar novas perfurações", afirmou Hatfield.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia