Porto Alegre, segunda-feira, 03 de setembro de 2018.

Jornal do Comércio

COMENTAR | CORRIGIR

Equinos

Notícia da edição impressa de 03/09/2018. Alterada em 03/09 às 19h49min

PaintSul amplia atividades para integrar raças

Nina comemorou a participação de cavaleiros em uma prova que atingiu diferentes idades

Nina comemorou a participação de cavaleiros em uma prova que atingiu diferentes idades


MATHEUS PICCINI/ESPECIAL/JC
Os cavalos da raça Paint Horse costumam chamar a atenção de quem vai à Expointer pela beleza e pelos olhos azuis, característica de muitos exemplares. Em 2018, a regional da Associação Brasileira dos Criadores do Cavalo Paint (PaintSul) apostou em novidades para promover a integração com outras raças de cavalos. A presidente recém-eleita da entidade, Nina Hausen Kuhn, aponta a realização, pela primeira vez em Esteio, da prova de ranch sorting, que é muito popular em outros estados onde o Paint Horse tem mais tradição e reúne outras raças.  
Nina explica que a prova tem cronômetro. Os participantes atuam em duplas e têm de passar o maior número de bovinos para outra mangueira em um tempo de 90 segundos. Foram 65 inscrições em seis raças - Quarto de Milha, Crioulo, Mangalarga, Árabe e Appaloosa, além do Paint Horse. "Organizamos a prova, e teve uma aceitação muito legal", diz a presidente da associação. "A ideia era experimentar, mesmo."
Nina destaca que a prova é aberta a qualquer cavaleiro, de todas as idades, e não é preciso ser profissional. "Há várias categorias para abranger o maior número possível", conta ela. A associação, criada em 2004 e que está com nova sede no Parque de Exposições Assis Brasil, pretende ampliar as atividades nos três estados do Sul, que é a abrangência da entidade. A PaintSul registra crescimento de pessoas interessadas em começar a criação. No Brasil, existem 17 mil exemplares da raça, que tem origem no Quarto de Milha. 
 
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia