Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

24/07/2019 - 18h51min.
Alterada em 08/08 às 14h16min
COMENTAR| CORRIGIR

Para Lamb, futuro é da colaboração, e não da competição

Lamb é um dos idealizadores da Aliança para Inovação de Porto Alegre

Lamb é um dos idealizadores da Aliança para Inovação de Porto Alegre


CLAITON DORNELLES/JC
Não é de hoje que gaúchos e não gaúchos citam o bairrismo e a falta de capacidade de convergir dos empresários como uma força que puxa as iniciativas locais para trás. O Rio Grande do Sul já perdeu muito tempo e espaço com isso.
Mas, há algo diferente no ar, uma nova visão que parece estar sendo construída para gerar interações mais eficazes para todos. É o que tem observado Luís Lamb, secretário da Inovação, Ciência e Tecnologia do RS e pesquisador de Inteligência Artificial. Para ele, o que se vê nos últimos tempos é uma conscientização de um número maior de empresas de que mesmo os competidores são grupos com os quais é possível interagir.
“Hoje o jogo entre competidores é muito mais ético, da mesma forma que a tendência é identificar os colaboradores que são leais. Não tem mais como esconder comportamentos que não condizem com o bem-estar coletivo. Precisamos construir colaborações que não são competições”, defende.
> Assista ao vídeo com a íntegra das opiniões de Luís Lamb
A perspectiva é que em breve não exista mais espaço para as sociedades individualistas. Nesse novo modelo, onde a comunicação é cada vez mais rápida e as informações e o conhecimento circulam de forma acelerada, é preciso colaborar para que cada um construa a sua parte e dê a sua contribuição em termos de conhecimento.
“Os bons exemplos que temos mundo afora tem mostrado que o colaborar para o bem comum, pela cidade, pelo estado e pelo País trará benefícios para todos”, relata. Foi justamente essa visão que levou a criação da Aliança para Inovação de Porto Alegre, formada pela articulação das três maiores universidades gaúchas Ufrgs, Pucrs e Unisinos, da qual Lamb foi um dos principais articuladores.
Gostou da série Mentes Transformadoras e não quer perder nenhum episódio?
>> Assine o JC e receba conteúdos como este onde você estiver. Descubra como! <<
Esse movimento pró construção coletiva, explica, está ficando mais forte em função das atitudes das pessoas. As organizações se abrem à medida que os atores que estão em volta dela pressionam e buscam por colaborações e os acadêmicos se abrem quando a sociedade se dispõe a colaborar ou faz promessas justas para que este conhecimento seja transformado em tecnologia, porque isso gerará oportunidades de trabalho qualificado. E os governos, por sua vez, se movem pela pressão dos agentes da sociedade. “É inviável que cada ser humano sozinho consiga dominar todo o conhecimento necessário para ter um sucesso pessoal em detrimento dos outros. Para construirmos uma sociedade equilibrada e justa, esse processo deve ser colaborativo”, relata Lamb.
Um belo exemplo onde isso tem acontecido de forma mais intensa são os ambientes de inovação. Nestes ecossistemas, há uma massa crítica de pessoas com conhecimento muito elaborado. Ali, as ideias isoladamente não valem tanto e, sim, o processo de aprender a construir de forma conjunta ideias para que elas se tornem negócios.
> Ouça o podcast com Luís Lamb
Listen to "9 - Luis Lamb, secretário da Inovação, Ciência e Tecnologia do RS | Mentes Transformadoras" on Spreaker.
“A conexão das pessoas é mediada pela tecnologia, então é fundamental que estejamos conectados e enxerguemos as interações de forma positiva. Todos têm desafios econômicos, culturais, sociais a vencer e para isso será necessária muita colaboração”, conclui.

Quem são as 11 Mentes Transformadoras:

  Jorge Gerdau Johannpeter, empresário 
  Pedro Englert, CEO da StartSe 
  Jorge Audy, superintendente de Inovação e Desenvolvimento da Pucrs 
  Mônica Timm, CEO da plataforma de leitura Elefante Letrado 
  José Renato Hopf, fundador e CEO 4all 
  Cesar Leite, fundador e CEO Grupo Processor 
  Daniel Randon, CEO das Empresas Randon 
  Tito Gusmão, CEO da corretora digital Warren
  Luís Lamb, pesquisador em Inteligência Artificial e secretário de Inovação, Ciência Tecnologia do Rio Grande do Sul
  Susana Kakuta, diretora do Tecnosinos
  Guilherme Braga, cofundador e CEO da Egalitê Recursos Humanos Especiais
> Leia mais sobre a série Mentes Transformadoras
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patrícia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.