Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

17/07/2019 - 18h37min.
Alterada em 08/08 às 14h18min
COMENTAR| CORRIGIR

'O Brasil é um celeiro de resolvedores de problemas', elogia CEO do Warren

Tito Gusmão elogia movimentação da cena empreendedora gaúcha

Tito Gusmão elogia movimentação da cena empreendedora gaúcha


CLAITON DORNELLES/JC
Resolver problemas é com os brasileiros. O País tem 13 milhões de desempregados e as pessoas estão sempre se virando, fazendo quentinhas e criando os seus próprios negócios, elogia o CEO da corretora digital Warren, Tito Gusmão, personagem da série Mentes Transformadoras.
Aliás, esse é um atributo muito positivo diante de um cenário conjuntural tão desafiador como o que vivemos. “Se você é um resolvedor, se tem essa visão de que é a mola propulsora para fazer as coisas acontecerem correndo nas suas veias, no coração e na sua forma de pensar, você sabe que não existe barreira. Você é o próprio agente da transformação”, aponta.
Mas, como se cria esse espírito em um número cada vez maior de indivíduos? Para Tito, essa é a pergunta de US$ 1 milhão. Uma das pistas, arrisca, é apostar na educação que começa em casa e que deveria ser aprimorada na escola. “Meus pais sempre foram aqueles que diziam: vai lá e faz. Com cinco anos de idade eu queria construir um carro elétrico e minha mãe disse que era possível. Eles me criaram como um resolvedor de problemas e um cara que acredita que tudo é possível”, relembra.
> Assista ao vídeo com a íntegra das opiniões de Tito Gusmão:
Tito aprendeu desde cedo a se desafiar, e seguiu com essa visão na sua vida profissional. Ele começou a sua história profissional da XP Investimentos, empresa da qual também foi sócio. Acompanhou todo crescimento da operação e foi para Nova Iorque (EUA) para cuidar do escritório local. Lá, resolveu empreender.
Em parceria com Marcelo Maisonave, Pedro Englert, Eduardo Glitz, criou a Warren, uma fintech que quer transformar a experiência dos usuários com os serviços financeiros. “Os bancos hoje tomam conta de boa parte do dinheiro das pessoas e entregam serviços, atendimento e preço ruins. Para quem gosta de comprar problemas grandes, como eu, essa é a oportunidade perfeita”, brinca.
Gostou da série Mentes Transformadoras e não quer perder nenhum episódio?
>> Assine o JC e receba conteúdos como este onde você estiver. Descubra como! <<
Para ter ao seu lado um time motivado a encarar de frente esses desafios, o empreendedor comenta que procura inspirar os colaboradores a incorporarem quatro pilares: otimismo, “get it done” (se vira e faz), humildade e coragem. Aliás, por falar em otimismo, depois de morar um tempo fora do Brasil, Tito se diz surpreso e feliz com toda movimentação que está acontecendo no cenário de inovação gaúcho. Para ele, mesmo os mais pessimistas, devem estar se enchendo de energia com o que está acontecendo localmente.
“Logo que retornei ao Brasil, minha primeira missão foi encontrar pessoas, fazer networking e para isso participei de diversos eventos, fóruns e bate papos. Fiquei surpreendido com a quantidade de coisas fantásticas que estão acontecendo no Brasil, principalmente voltadas ao mundo da tecnologia”, diz.
> Ouça o podcast com Tito Gusmão
A percepção de que tem tanta coisa interessante para fazer e o dia só tem 24 horas é uma das angústias de Tito. Sem falar nas reclamações de quem insiste em não ver as oportunidades que estão aí para serem exploradas. “Para começo de conversa, você ganhou na mega-sena da vida porque, entre ter nascido uma minhoca, uma ameba ou um pintinho amarelinho, você nasceu um ser humano, cheio de coisas legais para fazer. Então, antes de reclamar se a grama do outro está muito verde ou se a mamãe e o governo não te ajudaram, vai fazer”, sugere, relembrando uma frase que ouviu certa vez de um empreendedor americano e que pode servir de injeção de ânimo para muita gente.

Quem são as 11 Mentes Transformadoras:

  Jorge Gerdau Johannpeter, empresário 
  Pedro Englert, CEO da StartSe 
  Jorge Audy, superintendente de Inovação e Desenvolvimento da Pucrs 
  Mônica Timm, CEO da plataforma de leitura Elefante Letrado 
  José Renato Hopf, fundador e CEO 4all 
  Cesar Leite, fundador e CEO Grupo Processor 
  Daniel Randon, CEO das Empresas Randon 
  Tito Gusmão, CEO da corretora digital Warren
  Luís Lamb, pesquisador em Inteligência Artificial e secretário de Inovação, Ciência Tecnologia do Rio Grande do Sul
  Susana Kakuta, diretora do Tecnosinos
  Guilherme Braga, cofundador e CEO da Egalitê Recursos Humanos Especiais
> Leia mais sobre a série Mentes Transformadoras
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patrícia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.