Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, terça-feira, 21 de janeiro de 2020.
Feriado nos EUA: Dia de Martin Luther King.

Jornal do Comércio

18/06/2019 - 12h58min.
Alterada em 08/08 às 14h35min
COMENTAR | CORRIGIR

'Precisamos formar pessoas capazes de resolver problemas', aponta Mônica Timm

Mônica alerta que ensinamentos e incentivo à leitura devem começar em casa

Mônica alerta que ensinamentos e incentivo à leitura devem começar em casa


CLAITON DORNELLES/JC
Seres humanos trabalhando e competindo com robôs, automação em larguíssima escala nas empresas e novas profissões surgindo. E então, como vamos nos adaptar a viver nesse mundo de transformações cada vez mais velozes? “Educação, educação, educação”, responde sem titubear a CEO da plataforma de leitura Elefante Letrado, Mônica Timm. Ela é a personagem desta semana da série Mentes Transformadoras. 
Seres humanos trabalhando e competindo com robôs, automação em larguíssima escala nas empresas e novas profissões surgindo. E então, como vamos nos adaptar a viver nesse mundo de transformações cada vez mais velozes? “Educação, educação, educação”, responde sem titubear a CEO da plataforma de leitura Elefante Letrado, Mônica Timm. Ela é a personagem desta semana da série Mentes Transformadoras. 
Temos um longo caminho pela frente para conseguir recuperar o terreno perdido nas últimas décadas, e é preciso acelerar. Até porque, segundo a mestra em Gestão Educacional, as pessoas ainda estão sendo formadas em um modelo de ensino do passado, muito centrado na figura do professor, com aulas monolíticas e em lotes iguais para todos.
> Assista ao vídeo com a íntegra das opiniões de Mônica Timm 
"Incentivar novos processos de pensamento e estruturas mais complexas de raciocínio na vida dos indivíduos para que eles consigam responder aos desafios do mundo que vem aí é um caminho irreversível", diz. Isso significa trabalhar na sala de aula, desde cedo, com projetos interdisciplinares que provoquem questionamentos e apresentem problemas a serem resolvidos pelos alunos.
Também precisamos considerar mais fortemente a inserção da linguagem computacional, o que para muitos ainda parece coisa de ficção científica ou algo restrito aos países mais desenvolvidos. E não é. “Hoje no Brasil o conhecimento matemático ainda é de poucos. E isso é preocupante se pensarmos que o século 21 é o século da ciência, da biotecnologia, da codificação e das tecnologias da informação”, avalia Mônica.

> Podcast: ouça a entrevista completa

Isso pode ser decisivo na formação de talentos alinhados com as demandas atuais do mercado de trabalho na medida em que o pensamento lógico-matemático e a racionalidade elevam a criatividade, a capacidade de disrupção e o pensar fora da caixa. Basta vermos os exemplos de gigantes de tecnologia e startups inovadoras nos trazendo todos os dias o novo.
Mônica avalia que a formação de mais pessoas vinculadas à ciência e tecnologia é estratégica, inclusive, quando pensamos na capacidade de o Brasil conseguir competir e colaborar. “Se não for assim, é grande o risco de ser irrelevantes no cenário mundial. O que aguarda as pessoas que não tiverem uma cidadania feita à base da ciência e da capacidade de resolver problemas?”, questiona a CEO do Elefante Letrado.
Outro risco de não preparamos corretamente as pessoas é o das iniciativas de desenvolvimento não ganharem tração. Mônica viaja bastante observando os modelos de educação e graus de maturidade em cada estado e país. E quando passa pelo Rio Grande do Sul, qual o sentimento? “Sinto tristeza pelo meu Estado e pela minha cidade. Já foram feitos vários movimentos para tentar inserir a inovação e a tecnologia no nosso processo de desenvolvimento, mas talvez o que tenha faltado é justamente preparar as pessoas”, analisa.
É preciso uma mudança de mentalidade não apenas nas instituições de ensino, mas nos ensinamentos que começam em casa. Segundo ela, muitos pais ainda protegem as crianças, quando o caminho poderia ser outro. “É importante que desde cedo a gente aprenda a cair a levantar, a correr atrás e nos frustrarmos, a ganhar e perder. “É isso que habilita uma pessoa a viver no mundo real”, analisa.
Os reflexos disto impactarão positivamente a sociedade como um todo. “Não adianta exigir educação para a cidadania se a gente não consegue ter o compromisso com a aprendizagem. Ser cidadão é ser leitor. Se não consigo fazer com que o meu aluno se transforme em um leitor, dificilmente ele vai ser um transformador da sociedade”, aponta Mônica.

Quem são as 11 Mentes Transformadoras:

  Jorge Gerdau Johannpeter, empresário 
  Pedro Englert, CEO da StartSe 
  Jorge Audy, superintendente de Inovação e Desenvolvimento da Pucrs 
  Mônica Timm, CEO da plataforma de leitura Elefante Letrado 
  José Renato Hopf, fundador e CEO 4all 
  Cesar Leite, fundador e CEO Grupo Processor 
  Daniel Randon, CEO das Empresas Randon 
  Tito Gusmão, CEO da corretora digital Warren
  Luís Lamb, pesquisador em Inteligência Artificial e secretário de Inovação, Ciência Tecnologia do Rio Grande do Sul
  Susana Kakuta, diretora do Tecnosinos
  Guilherme Braga, cofundador e CEO da Egalitê Recursos Humanos Especiais
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia
Patrícia Knebel
Patrícia Knebel
Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.