Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 08 de agosto de 2019.

Jornal do Comércio

05/06/2019 - 18h53min.
Alterada em 08/08 às 14h26min
COMENTAR| CORRIGIR

Pedro Englert: para empreender é preciso conhecimento, capital e rebeldia

Englert é CEO da StartSe e investidor direto em mais de 10 startups de vários segmentos

Englert é CEO da StartSe e investidor direto em mais de 10 startups de vários segmentos


MONTAGEM/MARIANA CARLESSO/JC
Três coisas mudaram de forma muito intensa nos últimos anos: a forma como aprendemos, como investimos e como fazemos gestão. São técnicas cunhadas há 30, 50 anos, em um cenário previsível, pouco dinâmico e no qual o cliente não tinha poder, mas que continuam sendo repetidas hoje, mesmo que o mercado seja o inverso: rápido e incerto. “No passado, ser conservador era virtude, hoje é certeza de que vou morrer rápido”, aponta Pedro Englert, CEO da StartSe, empresa de educação para a nova economia. Empreendedor experiente – foi ex-sócio da InfoMoney e XP Investimentos e hoje investe diretamente em mais de 10 startups de vários segmentos – ele é o personagem do episódio desta semana da Série Mentes Transformadoras.
Com a queda das barreiras de empreendedorismo, ficou muito arriscado ficar parado. A concorrência vem de todos os lados e os clientes ganharam poder – e estão mais dispostos a experimentar se for para ter ao seu lado novas empresas que entendem mais a dor deles do que as grandes marcas. “Se as companhias mais tradicionais não conseguirem mudar a sua forma de gestão, estarão fadadas a ficar em um processo conservador de ganhos incrementais e apenas aguardando pois, em alguma hora, alguém vai entender que dá para fazer melhor que o que elas estão fazendo”, analisa.
> Assista ao vídeo com a íntegra da entrevista com Pedro Englert:
Para isso não acontecer, Englert comenta que é preciso começar a mudar já. Um caminho é quebrar as hierarquias, entender que a experimentação deve ser incentivada e que o erro faz parte do processo – não o erro pelo relaxamento, e sim o da busca pelo novo. Construir os negócios lado a lado com os colaboradores é um bom começo. “Temos que dar liberdade. Ninguém mais quer trabalhar para o patrão. Eu quero trabalhar para mim e entender como realizo os meus sonhos aqui dentro (da empresa)”, comenta. Neste cenário, o modelo de gestão tradicional, que envolve planejamento, comando e controle, não funciona mais. “Ao controlar, você inibe, tira a força e o ímpeto das pessoas. Temos que conseguir trazê-las para perto, alinhá-las com os nossos projetos e empreender juntos”, acrescenta.
Também é importante abrir ao máximo a pista para as pessoas que estão arriscando, inovando e tentando transformar o mercado. “Nunca foi tão possível empreender. O mundo está muito legal e aberto para a gente correr atrás dos nossos sonhos, dos nossos propósitos e mudar todas as coisas que estão ruins”, afirma.
Englert comenta que um ecossistema empreendedor, seja uma pessoa ou uma empresa precisa ter três componentes: capital, conhecimento e rebeldia. Neste sentido, a maturidade é muito importante para o sucesso de uma startup. “Por mais que um jovem de 22 anos seja genial, ele tem ainda pouco conhecimento, vivência e prática”, analisa. A universidade de Harvard fez um estudo que indica que 42 anos é a idade que a pessoa que empreende tem mais chance de dar certo, justamente porque é quando ele consegue reunir aqueles três elementos para o sucesso. “Quando a gente pega uma turma muito jovem e coloca para empreender, eles têm uma desvantagem em relação ao mercado porque têm pouco conhecimento. Por isso a diversidade é tão importante. É preciso entender que experiências diferentes têm de ser somadas para fazer o negócio dar certo”, aconselha.

> Podcast: ouça a entrevista completa

Listen to "2 - Pedro Englert, CEO da StartSe | Mentes Transformadoras" on Spreaker.
Preocupação com o Brasil
Apesar de ver iniciativas de empresas querendo mudar, de investimentos entrando, novas formas de educação surgindo e de reguladores pensando em flexibilizar mais o mercado, o empreendedor afirma que tem muita preocupação com o posicionamento do Brasil. “Hoje não tem praticamente nada feito aqui e que está sendo usado no mundo”, avalia.
Um legítimo cidadão do mundo, já que os negócios da StartSe tem ramificações pelo Brasil, especialmente São Paulo, e também nos Estados Unidos e China, ele observa atentamente os movimentos que estão acontecendo no Rio Grande do Sul, onde nasceu. Para ele, por aqui, uma preocupação adicional é o conservadorismo do gaúcho e, em alguns momentos, a falta de capacidade de convergir. “O gaúcho ainda acha que brigar é bom. Mas nesse mundo, para sobreviver, temos que compor, encontrar pontos comuns, abrir mão da verdade exclusiva e perceber que juntos somos mais fortes”, analisa.
Confira mais conteúdos no canal de podcast do JC
Currículo não é mais tão decisivo
Um caminho para transformar a nossa realidade atual é investindo em novos modelos educacionais. A percepção de Englert é a de que hoje estamos formando dezenas de milhares de pessoas para um perfil de trabalho que não existe mais. E o reflexo desta desconexão são as milhares de vagas abertas que não são preenchidas porque falta pessoas com as habilidades necessárias.
"É preciso entender quais são as tecnologias que impactam o seu mercado, quais são os novos modelos de negócios que surgem e qual é a nova forma de aprender, todos os dias, toda a semana um pouquinho. A pergunta do futuro ou do presente é: não é onde você estudou é como você se desenvolve, aponta o CEO da StartSe.
“Isso está acontecendo porque o mercado impera. As companhias não estão mais exigindo currículo porque entendem que ele não vai mais dizer se o a pessoa atende o que elas estão buscando. As empresas de educação vão ter de entender que a dinâmica de aprendizado mudou e que elas precisam se conectar ao máximo possível com a realidade”, diz.

Quem são as 11 Mentes Transformadoras:

  Jorge Gerdau Johannpeter, empresário 
  Pedro Englert, CEO da StartSe 
  Jorge Audy, superintendente de Inovação e Desenvolvimento da Pucrs 
  Mônica Timm, CEO da plataforma de leitura Elefante Letrado 
  José Renato Hopf, fundador e CEO 4all 
  Cesar Leite, fundador e CEO Grupo Processor 
  Daniel Randon, CEO das Empresas Randon 
  Tito Gusmão, CEO da corretora digital Warren
  Luís Lamb, pesquisador em Inteligência Artificial e secretário de Inovação, Ciência Tecnologia do Rio Grande do Sul
  Susana Kakuta, diretora do Tecnosinos
  Guilherme Braga, cofundador e CEO da Egalitê Recursos Humanos Especiais
> Leia mais sobre a série Mentes Transformadoras
COMENTAR| CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia

Patrícia Knebel

Ecossistemas de inovação, tendências globais para os negócios, marketing digital, as tecnologias que são os pilares da transformação digital (como mobilidade, Internet das Coisas e Big Data) e todas as novidades que impactam o comportamento dos consumidores e o futuro das empresas e das cidades estão na coluna Mercado Digital. Estou feliz por você estar aqui.