Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, domingo, 27 de maio de 2018.
Dia Mundial dos Meios de Comunicação.

Jornal do Comércio

Empresas & Negócios

COMENTAR | CORRIGIR

tecnologia

Notícia da edição impressa de 28/05/2018. Alterada em 25/05 às 19h05min

Construção civil atrai startups

Aplicativo Construct App reúne informações sobre tarefas em obras

Aplicativo Construct App reúne informações sobre tarefas em obras


CONSTRUCT/DIVULGAÇÃO/JC
Setor considerado pouco aberto a novas tecnologias, a construção civil virou alvo de uma série de startups, que veem em suas ineficiências grandes oportunidades para seus empreendimentos. Essas empresas querem levar produtividade ao segmento com ideias como aplicativos para organizar o canteiro de obra, novas técnicas de construção, novos materiais e até o uso de drones.
"É um setor expressivo em termos econômicos e um dos piores em adoção de tecnologia, o que significa que há um espaço enorme para crescer", diz Bruno Loreto, que criou, há dois anos, o fundo Construtech Ventures, que investe em empresas iniciantes do setor. O fundo já apostou em oito startups. Sua meta é chegar a 20 em dois anos, injetando entre R$ 500 mil e R$ 2 milhões por companhia.
Uma das empresas que buscam fazer isso é a Construct App, que tem aplicativo que reúne informações sobre tarefas em desenvolvimento e problemas a serem resolvidos em uma obra. Com isso, substitui o uso do papel e do WhatsApp na troca de informações, explica Drew Deaulline, sócio da companhia mineira.
A ideia é que engenheiros parem de gastar tempo perguntando como está cada coisa, diminuindo a necessidade de reuniões e retrabalhos. O app foi usado em cerca de 600 obras de 50 empresas. "A demora para que a informação chegue à pessoa certa leva a erros, coisas que terão de ser quebradas para serem corrigidas", diz Deaulline.
Há outras companhias dedicadas a criar novos modelos de negócios para tornar as obras mais acessíveis. No grupo encontra-se a paulistana Vivenda, que faz reformas em casas populares vulneráveis, especialmente por causa de problemas hidráulicos, elétricos e excesso de umidade. Para isso, a empresa monta lojas em regiões periféricas para estar perto dos potenciais clientes (são duas até agora).
Suas inovações vão desde a área financeira (a startup lançou debentures, títulos de dívida, para captar dinheiro no mercado e poder parcelar as reformas das casas) até logísticas e de materiais, explica Fernando Assad, sócio da companhia. Cada cômodo reformado custa, em média, R$ 6,8 mil.
Para reduzir o preço das reformas, a empresa passou a comprar lotes de material de construção maiores do que fazem as lojas de bairro e fechou parcerias com elas para armazená-lo, em troca de comissão pela venda. Com isso, consegue desconto dos fornecedores. O próximo passo é desenvolver com grandes companhias de construção, como Vedacit e InterCement, materiais que são planejados para seu público.
Há um ano, a Vivenda passou a trabalhar com impermeabilizante a base de cimento que não precisa de acabamento, criado a partir de sugestões da própria startup, por exemplo. "No dia a dia, entregamos reformas. Mas, do ponto de vista estratégico, queremos desenvolver o mercado de reformas para a baixa renda", diz Assad.
Outra estratégia de novas empresas é tomar como inspiração o mercado automotivo e passar a fazer parte da obra em uma linha de montagem. No canteiro, os profissionais recebem painéis que formarão as paredes com estrutura hidráulica e elétrica embutida, e o trabalho se parece mais com encaixar peças de Lego, afirma Caio Bonatto, da curitibana Tecverde. Ele diz que esse processo permite terminar o imóvel em um terço do tempo. "Montamos um prédio de quatro andares em uma semana com oito pessoas", diz Bonatto.
A companhia já entregou 3 mil imóveis, a maioria nos últimos três anos e 80% deles inseridos no Minha Casa Minha Vida. "Se não tornarmos a construção civil mais produtiva, não importa qual seja o programa, não será suficiente para atender ao déficit de moradias do Brasil", diz.
 

Grandes empresas buscam aproximação com os novos players

Percebendo o avanço das startups da construção, grandes empresas do setor criam iniciativas para se aproximar. A Andrade Gutierrez selecionou, em 2017, 10 startups que tinham produtos que gostaria de testar em suas obras. Neste ano, escolheu mais sete para ficarem dentro do Vetor, escritório recém-inaugurado que reúne startups que considera promissoras. O desenvolvimento terá apoio por cinco anos.
No grupo de selecionadas estão companhias que trabalham com sensores para coletas de informações na construção, inteligência artificial para prevenir quebra de máquinas e especializadas em processos químicos para produção de cimento. Glaucia Alves, diretora de inovação da empresa, diz que o trabalho com startups permite ter vantagens em relação a outras companhias.
Uma das selecionadas pela empresa é a Levitar, criada pelos engenheiros aeronáuticos Luiz Carlos Filho e Jean Elias. A companhia foi escolhida ao apresentar uma forma de levar cabos mais leves do que o convencional para a instalação de linhas de transmissão usando drones. Carlos Filho diz que a startup atuará com outros serviços feitos por drones, como logística na distribuição de alimentos em locais de difícil acesso por caminhões. "Penso que ninguém inova sozinho. Fazemos isso ouvindo as dores do cliente."
A Tecnisa tem, há oito anos, o Fast Dating, programa de aproximação com startups. Romeo Busarello, diretor de marketing da empresa, diz que a qualidade das startups aumentou no período. Segundo ele, foram recebidas até agora cerca de 850 empresas. Porém apenas 8% das reuniões viraram negócios em todo o período. Já nos últimos três anos 20% dos encontros deram resultado, diz.
A MRV lançou, em 2017, o espaço Órbi Conecta, em Belo Horizonte, em parceria com a Localiza e o Banco Inter. O escritório compartilhado tem capacidade de receber cerca de 20 startups. Flavio Vidal, gestor executivo de inovação da empresa, explica que a companhia não tem obrigação de fazer negócios com as startups, mas se beneficia da proximidade com o modo de trabalho aberto à inovação delas. Entre as startups do espaço estão a Alma, que ajuda clientes a contratar profissionais para obras, e a Revex, que tem software para montar escala de revezamento.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia