Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, segunda-feira, 18 de setembro de 2017. Atualizado às 19h56.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

CINEMA

Notícia da edição impressa de 14/09/2017. Alterada em 18/09 às 20h00min

Destaque em Gramado, longa As duas Irenes chega aos cinemas

Com elogios da crítica, longa 
As duas Irenes estreia hoje

Com elogios da crítica, longa As duas Irenes estreia hoje


/VITRINE FILMES/DIVULGAÇÃO/JC
Caroline da Silva
Duas adolescentes conversam. A primeira diz: "Nunca dá para saber o que você está pensando". A outra responde, dando de ombros: "Puxei meu pai". O curto diálogo do filme As duas Irenes, primeiro longa de Fabio Meira, que estreia hoje em todo o País, resume a trama. A segunda garota tem ciência de estar conversando com sua meia-irmã, fruto de uma família que seu pai mantém em segredo. Não bastasse a descoberta das mentiras e da traição daquele que é seu exemplo masculino, a filha dessa vida paralela que ele leva ainda tem a sua idade, 13 anos, e também o seu nome de batismo: Irene.
Na casa principal, onde há um certo requinte e tradição, a protagonista é a filha do meio, tem outras duas irmãs. Sua mãe, Mirinha (papel de Susana Ribeiro), é rígida com ela, o pai - Tonico, interpretado com maestria por Marco Ricca - também. Carinho e confidência ela encontra na empregada Madalena (Teuda Bara). Já na segunda família, o patriarca vive viajando, a esposa (Inês Peixoto) costura para fora, e Irene é filha única. Na casa mais simples, há muita música e bastante afeição entre os três integrantes do núcleo.
Em um momento delicado da formação de sua personalidade, a primeira Irene encontra, na segunda, autoafirmação e uma cumplicidade muda, trocada apenas em olhares. Ambas estão em busca de sua identidade na juventude, referências que, mais tarde, serão cruciais para sua postura perante o cotidiano na cidade do interior. Rodado na Cidade de Goiás e Pirinópolis, o filme é atemporal e sem localização geográfica específica propositalmente, conforme afirmou o diretor e também roteirista em Gramado: "Gostaria que fosse relacionado a qualquer país latino-americano" - onde existe essa sociedade machista, patriarcal, em que homens têm a "matriz" e a "filial". No entanto, na narrativa, o pai não é necessariamente um vilão: "Havia a preocupação que o pai não fosse facilmente julgado pelo espectador".
O título foi exibido na mostra competitiva da 45ª edição do Festival de Cinema no mês passado. Da serra gaúcha, Meira e equipe voltaram com o prêmio do Júri da Crítica e os Kikitos de melhor roteiro, direção de arte e ator coadjuvante (Ricca). A produção recebeu muitos elogios durante o evento. As duas Irenes também foi premiado no Festival de Guadalajara: melhor filme de estreia de diretor e melhor fotografia. O longa ainda foi exibido no Festival de Berlim deste ano, na mostra Generation. Até esta estreia, o processo todo da produção durou oito anos.
Meira contou que o ponto de partida do enredo é uma história familiar. Ele tinha por volta da idade das meninas, 13 anos, quando ocorreu o jogo do anel (atado a um cordão, fazendo um pêndulo, para determinar quantos filhos os presentes na ocasião tinham e qual o sexo deles). Inclusive, esta cena está no filme. "Impressionantemente, deu certo com todos os adultos da família, menos com meu avô. Chegou ao número 18 e o anel nunca parava de se mover sobre a mão dele."
O cineasta é formado em Direito pela Universidade Federal de Goiás. Nunca exerceu a profissão, foi para o Rio de Janeiro estudar Cinema. Começou como assistente de Ruy Guerra, em O veneno da madrugada, e colaborou em Quase memória como produtor de elenco. Após se formar na Escola Internacional de Cinema de San Antonio de Los Baños, em Cuba, em 2008, Fabio Meira foi convidado para a oficina Como se cuenta un cuento, do escritor Gabriel García Márquez, e recebeu uma bolsa de roteiro na ESCAC, em Barcelona. Como roteirista, trabalhou com Caru Alves de Souza em De menor (melhor filme do Festival do Rio, 2013). Realizou nove curtas e média-metragens, com prêmios em festivais como É Tudo Verdade e Encontros de Cinema de Toulouse, além de exibições na ESPN Brasil e no Canal Brasil. Foi também roteirista de The Illusion, dirigido pela cubana Susana Barriga e premiado em Berlim, Chicago e Havana.
Foi 15 anos depois daquele episódio da "brincadeira" em família, já formado pela Escola de Cuba, quando foi para o curso com García Márquez, que decidiu escrever um roteiro sobre a história. O garoto também tinha descoberto que o avô mantinha uma vida paralela e que uma das filhas nela tinha o mesmo nome de uma de suas tias.
Novo filme da Sessão Vitrine Petrobras, As duas Irenes entra em cartaz no CineBancários (General Câmara, 424), na sessão das 17h, e na Cinemateca Paulo Amorim (Andradas, 736), às 19h15min. Nesta quinta-feira, às 20h, acontece, na Cinemateca Capitólio Petrobras, uma sessão especial de lançamento. Após a projeção, terá um debate com o diretor e a atriz Isabela Torres (a Irene da segunda família).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia