Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de novembro de 2016. Atualizado às 21h49.

Jornal do Comércio

Panorama

COMENTAR | CORRIGIR

acontece

Notícia da edição impressa de 18/11/2016. Alterada em 17/11 às 16h58min

Uso experimental das imagens

Obra de Clóvis Dariano na mostra Nervo óptico

Obra de Clóvis Dariano na mostra Nervo óptico


CLOVIS DARIANO/DIVULGAÇÃO/JC
Em Porto Alegre, nos anos 1970, um grupo de jovens artistas apostou no uso experimental da fotografia, em proposições conceituais e na ironia como estratégia discursiva, crítica e poética - revolucionando a linguagem artística. Em 2016, 40 anos depois, a Fundação Vera Chaves Barcellos inaugura a partir deste sábado, no Centro Cultural de São Paulo, a exposição Nervo óptico: 40 anos, em comemoração ao marco de quatro décadas de formação do grupo - atuante de 1976 a 1978.
Com curadoria de Ana Albani de Carvalho, a mostra exibirá trabalhos realizados por Carlos Asp, Carlos Pasquetti, Clóvis Dariano, Mara Alvares, Vera Chaves Barcellos e Telmo Lanes em obras de época e em versões recentes. A exposição ainda apresentará ao público documentos e registros fotográficos do período de atuação do grupo. A visitação ocorre até o dia 12 de março de 2017.
CONTINUE LENDO ESTA NOTÍCIA EM NOSSA EDIÇÃO PARA FOLHEAR
CLIQUE AQUI PARA ACESSAR
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia