Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quinta-feira, 17 de novembro de 2016. Atualizado às 20h35.

Jornal do Comércio

Economia

COMENTAR | CORRIGIR

mercado financeiro

Alterada em 17/11 às 21h38min

Dólar bate máximas ante iene com expectativas de alta de juro nos EUA em dezembro

O dólar tocou sua cotação máxima em 14 anos ante o iene nesta quinta-feira, 17, após o discurso da presidente do Federal Reserve (Fed, o BC dos EUA), Janet Yellen, que falou com congressistas americanos e abriu a porta para possíveis aumentos de juros no país "em breve". Foi a primeira vez desde 1º de junho que o dólar chegou a ficar acima de 110,00 ienes.
Durante o discurso no Comitê Econômico Conjunto, Yellen afirmou que uma elevação dos juros "poderá se tornar apropriada relativamente em breve", o que foi interpretado pelo mercado como um reforço de que haverá um aperto monetário na reunião do Fed de dezembro. As apostas para o mês já ultrapassam os 90%, de acordo com um cálculo do CME Group, feito com base nos futuros dos Fed funds.
Essa perspectiva impulsionou o dólar, que se torna mais atrativo num cenário de juros mais altos por pagar rendimentos aos seus investidores. Assim, o dólar chegou ao final da tarde desta quinta-feira aos 109,97 ienes, de 109,14 ienes de quarta-feira. Já o euro recuou a US$ 1,0626, de US$ 1,0681. O dólar também apresentou alta em relação a moedas emergentes, como o peso mexicano, e foi de 20,2970 pesos mexicanos para 20,3871 nesta quinta-feira.
Dados positivos da economia americana também ajudaram o dólar a se fortalecer. Os pedidos de auxílio-desemprego nos EUA recuaram para 235 mil na semana, sendo esse o menor nível desde novembro de 1973. O índice de preços ao consumidor (CPI, na sigla em inglês) nos EUA registrou alta de 0,4% em outubro na comparação com o mês anterior, como previam os analistas.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia