Porto Alegre, domingo, 12 de setembro de 2021.
Porto Alegre,
domingo, 12 de setembro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Manifestação

- Publicada em 19h16min, 12/09/2021. Atualizada em 20h49min, 12/09/2021.

Leite participa de ato por impeachment de Bolsonaro no Parcão

Governador não subiu ao carro de som, mas discursou em meio ao público

Governador não subiu ao carro de som, mas discursou em meio ao público


ARQUIVO PESSOAL/REPRODUÇÃO/JC
O governador Eduardo Leite (PSDB) participou dos atos deste domingo, 12 de setembro, pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Leite esteve no Parque Moinhos de Vento (Parcão) na parte final da manifestação contra o presidente. Pouco depois das 16h, o governador chegou a pé ao local, vestindo uma camiseta preta com dizeres em alusão à democracia.
O governador Eduardo Leite (PSDB) participou dos atos deste domingo, 12 de setembro, pelo impeachment do presidente Jair Bolsonaro. Leite esteve no Parque Moinhos de Vento (Parcão) na parte final da manifestação contra o presidente. Pouco depois das 16h, o governador chegou a pé ao local, vestindo uma camiseta preta com dizeres em alusão à democracia.
Leite não subiu no caminhão de som, mas fez uma fala em meio ao público. "A democracia é a oportunidade da contestação, é uma das regras do jogo para que a gente possa conviver com as diferenças", destacou o tucano. "Não podemos tolerar um país que insiste em colocar uns contra os outros."
O governador lembrou que "não faltam problemas para se atacar, e gasta-se muita energia atacando as pessoas". E concluiu projetando a saída de Bolsonaro do Planalto. "Vamos superar esse momento triste e crítico da nossa história, e fortalecer a nossa democracia, se não for através do impeachment (do presidente), será através das urnas."
Logo em seguida à sua fala, Leite foi embora do protesto. Segundo a assessoria de imprensa do Palácio Piratini, foi uma "agenda pessoal" do governador.
O ato foi puxado pelo Movimento Brasil Livre (MBL) em parceria com a União da Juventude Livre (UJL), o Vem Pra Rua (VPR), LOLA, e o Movimento Livres e teve a participação de algumas centrais sindicais, alas da juventude e da diversidade de partidos como PSD, PDT, Novo e Cidadania.
Além de Leite, outras lideranças que defendem uma terceira via na disputa ao Planalto em 2022 - ou seja, não querem Bolsonaro nem o ex-presidente Lula (PT) - também participaram de atos pelo impeachment do presidente. Estiveram na avenida Paulista, em São Paulo o governador paulista, João Doria (PSDB), o ex-governador do Ceará Ciro Gomes (PDT), o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta (DEM) e o fundador do Partido Novo João Amoêdo.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário