Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, quarta-feira, 19 de dezembro de 2018.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Investigação

19/12/2018 - 17h13min. Alterada em 19/12 às 18h38min

Ministério Público cumpre mandado de busca em gabinete do deputado Edu Oliveira

Deputado Edu Oliveira (PDT) é investigado por fraudes pelo Ministério Público

Deputado Edu Oliveira (PDT) é investigado por fraudes pelo Ministério Público


ASSEMBLEIA LEGISLATIVA RS/DIVULGAÇÃO/JC
Matheus Closs
O Ministério Público do Rio Grande do Sul (MPRS) cumpriu, na tarde desta quarta-feira (19), mandados de busca e apreensão no gabinete do deputado Edu Oliveira (PDT), na Assembleia Legislativa gaúcha. A ação foi efetuada pelo Grupo de Atuação Especial de Combate ao Crime Organizado (Gaeco). De acordo com as investigações do MPRS, o deputado é suspeito de manter funcionários fantasmas e solicitar diárias de viagem fraudulentas.
Além do gabinete do deputado, o Gaeco cumpriu outros oito mandados de busca e apreensão, em sete residências e em um sítio nas cidades de Porto Alegre, Eldorado do Sul, Santana do Livramento, São Leopoldo e Arroio dos Ratos. 
As investigações do MP, coordenadas pelo promotor de Justiça Flávio Duarte, averiguam a prática de concussão, pela solicitação de partes dos salários dos funcionários do gabinete. Os valores das diárias e partes dos salários teriam sido revertidos para a campanha do deputado, que acabou não se reelegendo.
Também são investigados os crimes de peculato, falsidades documentais, lavagem de dinheiro e improbidade administrativa.
Nesta manhã, o procurador-geral de Justiça, Fabiano Dallazen, reuniu-se com o presidente da Assembleia Legislativa, Marlon Santos, para comunicar o cumprimento dos mandados. Segundo nota do Ministério Público, as investigações seguem em andamento. 
Edu Oliveira assumiu mandato na Assembleia em dezembro de 2016, ao substituir o ex-deputado Mário Jardel, cassado após ser acusado de quebra de decoro parlamentar por manter funcionária fantasma, pelo pagamento indevido de diárias e por contratar advogado como assessor para defesa de processos particulares. Em abril deste ano, o deputado trocou o PSD pelo PDT.
O procurador-geral na Assembleia Legislativa, Fernando Bolzoni, informou que Assembleia cumpriu com a solicitação do MP e disponibilizou os documentos requeridos pelo órgão. Procurado pela equipe do Jornal do Comércio, o deputado Edu Oliveira ainda não retornou contato.
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia