Comentar

Seu comentário está sujeito a moderação. Não serão aceitos comentários com ofensas pessoais, bem como usar o espaço para divulgar produtos, sites e serviços. Para sua segurança serão bloqueados comentários com números de telefone e e-mail.

500 caracteres restantes
Corrigir

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Porto Alegre, sexta-feira, 31 de agosto de 2018.
Dia do Nutricionista.

Jornal do Comércio

Política

COMENTAR | CORRIGIR

Eleições 2018

31/08/2018 - 19h53min. Alterada em 31/08 às 20h06min

Na ARI, Mateus Bandeira defende um 'estado mais simples, mais leve e mais justo'

João Batista Santafé Aguiar, Alexandre Elmi, Edieni Ferigollo e entrevistaram Mateus Bandeira na ARI

João Batista Santafé Aguiar, Alexandre Elmi, Edieni Ferigollo e entrevistaram Mateus Bandeira na ARI


Paulo Serpa Antunes/Especial/JC
Paulo Serpa Antunes
O candidato do Novo ao governo do Estado, Mateus Bandeira, defendeu nesta nesta sexta-feira (31) que seu partido "está apresentando uma proposta realmente inovadora para trazer o Rio Grande do Sul de novo para o caminho da prosperidade". A declaração foi feita na Associação Riograndense de Imprensa (ARI), no encerramento do Painel Eleitoral ARI, série de entrevistas com os candidatos a governador. 
Entrevistado pelos jornalistas Alexandre Elmi, João Batista Santafé Aguiar e Edieni Ferigollo, Bandeira defendeu um "estado mais simples, mais leve e mais justo". O candidato propõe o enxugamento da máquina pública e a redução do número de secretarias de Estado para dez. Mas estuda também a proposta de criação de uma 11ª pasta, que seria a Secretaria Extraordinária de Desestatização – com o objetivo de privatizar empresas estatais.
Assim como em sua entrevista ao Jornal do Comércio, Bandeira voltou a prometer que irá discutir o parcelamento de salários, enquanto for necessário, não só com o Executivo, mas com os demais poderes. "Se não tivermos recursos para pagar os vencimentos, não vamos repassar também o duodécimo. Seria muito didático se todos recebem no mesmo dia. Se todos sofressem o drama, todos seriam sócios do problema, todos seriam sócios do ajuste", declarou.
O candidato falou ainda sobre segurança pública ("Crime comum se combate com repressão, com PM na rua"), saúde ("Investir mais em gestão e inteligência e fazer avaliação da qualidade do serviço prestado") e educação, defendendo que o Estado compre vagas para estudantes em boas escolas de ensino privado.
No espaço dedicado às perguntas da plateia, Bandeira negou que esteja confrontando mais nos debates o candidato Eduardo Leite (PSDB): "Tenho sido duro e firme com a velha política. Talvez em alguns momentos tenha sido mais firme como o candidato do PSDB por uma razão simples. Ele tem se apresentado como novidade, como o novo, mas ele é mais um jovem político profissional".
Mateus Bandeira foi o sétimo candidato ao Palácio Piratini a participar do Painel Eleitoral da ARI, encerrando a série de sabatinas. O painel abriu no dia 7 de agosto, com Júlio Flores (PSTU), e prosseguiu ouvindo as ideias de Roberto Robaina (PSOL), Jairo Jorge (PDT), Miguel Rossetto (PT), Eduardo Leite (PSDB) e José Ivo Sartori (PSDB).
COMENTAR | CORRIGIR
Comentários
Seja o primeiro a comentar esta notícia