Porto Alegre, sexta-feira, 06 de novembro de 2020.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
sexta-feira, 06 de novembro de 2020.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Estados Unidos

- Publicada em 11h23min, 04/11/2020. Atualizada em 20h05min, 06/11/2020.

Eleições EUA: Acompanhe as informações atualizadas sobre as eleições nos EUA

Em disputa acirrada, resultado dos últimos estados irá definir o vencedor do pleito

Em disputa acirrada, resultado dos últimos estados irá definir o vencedor do pleito


Arte sobre foto de JEFF KOWALSKY/AFP/JC
20h05min -Partido Republicano de Donald Trump entra com mais um pedido na Suprema Corte. Os advogados da legenda pediram que as cédulas recebidas pela Pensilvânia após o dia da eleição, terça-feira (3), não sejam incluídas no resultado final e sejam armazenadas de forma separada. Eles argumentam que essas cédulas somente foram aceitas pelas autoridades eleitorais por causa de uma liminar que ainda pode ser revista. 
20h05min -Partido Republicano de Donald Trump entra com mais um pedido na Suprema Corte. Os advogados da legenda pediram que as cédulas recebidas pela Pensilvânia após o dia da eleição, terça-feira (3), não sejam incluídas no resultado final e sejam armazenadas de forma separada. Eles argumentam que essas cédulas somente foram aceitas pelas autoridades eleitorais por causa de uma liminar que ainda pode ser revista. 
16h - Trump diz que vai averiguar a contagem de votos em "todos os aspectos da lei". Em comunicado divulgado pela campanha republicana, o presidente dos Estados Unidos afirmou: "Nós acreditamos que o povo americano merece ter transparência total em toda contagem de votos e certificação de eleição, e que isso não é mais sobre qualquer eleição singular. Isso é sobre a integridade de todo o nosso processo eleitoral. Desde o início nós dissemos que todas as cédulas legais devem ser contadas e todas as cédulas ilegais não devem ser contadas, no entanto nós encontramos resistência a este básico princípio por democratas em todos os cantos. Nós seguiremos este processo em todos os aspectos da lei para garantir que o povo americano tenha confiança no nosso governo. Eu nunca vou desistir de lutar por você e nossa nação". Clique no tweet para conferir a mensagem completa.
15h40min - Nancy Pelosi chama Biden de "presidente eleito" e pede pressa em aprovação de estímulo. Em entrevista coletiva, a presidente da Câmara dos Representantes dos Estados Unidos disse que, "muito em breve", Biden passará de "ex-vice-presidente a presidente eleito", para em seguida se referir a ele como já como "presidente eleito".
14h45min - Campanha de Trump diz que presidente ganha a eleição se "votos legais" forem contabilizados. O time republicano afirmou no Twitter que "se votos legais forem contados, o presidente @realDonaldTrump ganha esta corrida facilmente. COMPARTILHE antes que o Twitter censure isso!".
Trump ainda questionou, em sua conta pessoal, "onde estão as cédulas
— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) November 6, 2020
14h10min - Espaço aéreo sobre a casa de Joe Biden é bloqueado. A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) impôs uma restrição de voos sobre a casa de Joe Biden, em Wilmington, no estado de Delaware. O órgão já havia bloqueado a região no entorno da residência do candidato na quarta-feira (4), de acordo com a CNN.
13h45min - Campanha de Trump pede ajuda para denunciar irregularidades e fraudes nas eleições. O time de Donald Trump no Twitter pediu aos seguidores que ajudem a denunciar "supressão de votos, irregularidades e fraude" nas eleições. "Diga-nos o que você está vendo", afirmou o tweet.
13h30min - Geórgia terá recontagem de votos: Após pedido de Trump, o secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, confirmou que haverá recontagem de votos no Estado.
12h07min - Trump faz críticas à Filadélfia, citando que a maior cidade do Estado possui um histórico "podre" na quanto à integridade nas eleições.
— Donald J. Trump (@realDonaldTrump) November 6, 2020
11h50min - "Essa eleição não acabou", twittou a campanha de Donald Trump após o anúncio da virada de Biden na Pensilvânia
— Team Trump (Text VOTE to 88022) (@TeamTrump) November 6, 2020
10h53min - Biden acaba de virar na Pensilvânia. O democrata ultrapassa Trump por cerca de cinco mil votos. A tendência é que Biden aumente a vantagem, conforme apurações da CNN Americana. Faltam 20 mil votos para serem contabilizados no Estado. Com a vitória na Pensilvânia, que possui 20 delegados, Biden está eleito presidente dos Estados Unidos.
10h47min - Na quinta-feira (5) à noite, eleitores e eleitoras do presidente Donald Trump rezaram em frente a uma sessão eleitoral de Nevada por uma vitória do republicano no estado. No momento, Biden segue liderando na apuração de votos, o que daria ao democrata 6 delegados.
— CBS News (@CBSNews) November 6, 2020
9h55min Analistas da CNN Americana apontam que Joe Biden deve ultrapassar Donald Trump também na Pensilvânia por 60 mil votos, conforme projeções estatísticas. No momento, o republicano lidera no Estado por 18 mil votos.
8h24min - A vantagem de Biden, na Geórgia, ultrapassa mil votos. No Estado, estariam em jogo 16 delegados. Última vez que a Geórgia elegeu um democrata foi Bill Clinton, em 1992.
— Eleições EUA (@EleicoesEUA) November 6, 2020
7h20min - Biden vira na Geórgia: O candidato democrata Joe Biden lidera no Estado, com 917 votos a mais, e 99% dos votos apurados até o começo da manhã desta sexta-feira (6). 
22h30min - Diferença na Pensilvânia segue caindo, e vantagem de Trump é de menos de 60 mil votos: A leva de acusações feitas por Donald Trump em relação à apuração dos votos no estado da Pensilvânia tem um motivo. A vantagem do candidato republicano à Casa Branca no estado que dá 20 delegados no colégio eleitoral não para de cair. O atual presidente chegou a ter mais de 700 mil votos de vantagem sobre Joe Biden. Na última atualização, por volta das 22h (horário de Brasília) desta quinta-feira (5), a diferença caiu para apenas 58.281 votos. Faltando 6% dos votos a serem computados, a tendência é de que, seguindo este cenário, Biden ultrapasse Trump. Se isso ocorrer, ele garante a vitória nas eleições independentemente do resultado dos outros três estados ainda em disputa (Geórgia, Carolina do Norte e Nevada).
21h40min - Abatido, Trump acusa processo eleitoral de corrupção sem apresentar provas: O presidente dos EUA e candidato à reeleição pelo Partido Republicano, Donald Trump, fez um pronunciamento na noite desta quinta-feira (5) cheio de acusações contra o processo eleitoral do país, mas não apresentou prova alguma da corrupção que denunciou.
21h10min - Vantagem de Trump na Georgia cai para 3,6 mil votos: Cada vez mais, a tendência de uma virada no resultado da apuração dos votos no estado da Georgia se consolida. A última atualização, por volta das 21h (horário de Brasília), mostra que a vantagem de Donald Trump sobre Joe Biden caiu para apenas 3.635 votos. Quem vencer no estado, leva 16 delegados no colégio eleitoral.
20h15min - Trump fará pronunciamento às 20h30min: A Casa Branca informou que o presidente dos EUA e candidato à reeleição, Donald Trump, irá fazer um pronunciamento às 20h30min (horário de Brasília). A vantagem de Trump sobre Joe Biden nos estados da Georgia e da Pensilvânia tem caído drasticamente, apontando para uma possível vitória do democrata nos dois estados.
20h05min - Pensilvânia ainda irá contar “várias centenas de milhares” de votos: A secretária de Estado da Pensilvânia, Kathy Boockvar, em entrevista coletiva dada há pouco, informou que ainda há “várias centenas de milhares” de votos a serem contados no estado. Além disso, segundo ela, “a esmagadora maioria das cédulas” será contada até esta sexta-feira (6). Kathy deixou em aberto quem irá vencer no estado, se Trump ou Biden. "Por ser uma disputa acirrada, não está muito claro quem é o vencedor", disse. No momento, Trump lidera com uma vantagem de 78.338 votos – há meia hora, a vantagem era de 90.542 votos. Se a diferença continuar a cair nesse ritmo, a tendência é de que o candidato democrata ultrapasse o atual presidente e vença a disputa na Pensilvânia, faturando os 20 delegados no colégio eleitoral, e sendo eleito presidente dos EUA.
19h25min - Biden se aproxima ainda mais de Trump na Georgia e na Pensilvânia: Os estados da Georgia e da Pensilvânia atualizaram há pouco os números da apuração dos votos da eleição presidencial dos EUA. A vantagem de Donald Trump sobre Joe Biden caiu para apenas 9.525 votos na Georgia (16 delegados), onde 98% das urnas já foram apuradas. Na Pensilvânia (20 delegados), a diferença entre os candidatos diminuiu para 90.542 votos em favor de Trump, com 93% de apuração.
19h10min - Cerca de 90% dos votos que faltam ser contados em Nevada são de reduto democrata: A secretária de Estado de Nevada, Barbara Cegavske, afirmou na tarde desta quinta-feira (5), que há aproximadamente 190.150 votos para serem contados no estado, sendo que 90% deles são do Condado de Clark, reduto democrata, onde, até o momento, Biden está ganhando por uma vantagem de 7,9 pontos percentuais: 53,1% a 45,2%.
18h40min - "Não temos dúvida de que, quando a contagem terminar, seremos vencedores", diz Biden: O candidato republicano à Casa Branca, Joe Biden, fez um rápido pronunciamento há pouco em que voltou a destacar que todos os votos devem ser contados e que o resultado do pleito deve partir da escolha da população. "Nos EUA, o voto é sagrado. É como as pessoas expressam seu desejo. Ninguém mais escolhe o presidente. Então, cada voto precisa ser contado. E é isso que veremos a partir de agora. É assim que deve ser. A democracia, algumas vezes, fica um pouco confusa, requer paciência", afirmou. O candidato reafirmou a confiança na vitória e pediu calma aos eleitores, já tensos em razão na demora na finalização na apuração. "Continuamos a nos sentir muito bem em relação a como as coisas estão. Não temos dúvida de que, quando contagem terminar, seremos vencedores. Peço calma. A contagem está sendo terminada e saberemos (o resultado) muito em breve", concluiu.
18h20min - Indefinição em quatro estados mantém anúncio do novo presidente dos EUA em suspenso: Os Estados Unidos são um país composto por 50 estados. Destes, 46 já apontaram vitória de um ou outro candidato à eleição norte-americana, conforme a tradicional agência de notícias Associated Press, que trabalha na apuração de resultados eleitorais nos EUA há 172 anos. Resta saber quem irá ganhar nos estados de Nevada, Georgia, Carolina do Norte e Pensilvânia. Nestes quatro, estão em jogo 57 delegados no colégio eleitoral. Conforme a AP, o democrata Joe Biden já faturou 264 delegados, de um total de 538. Para vencer a eleição, é preciso obter 270 delegados. Assim, bastaria para Biden ganhar em Nevada, que tem seis delegados no colégio. Lá, o democrata lidera por 49,4% contra 48,5% (diferença de 11,4 mil votos). Nos outros três estados, Trump lidera, mas com margem pequena e, em dois deles (Georgia e Pensilvânia), com possibilidade real de que ocorra uma virada. Na Georgia (16 delegados), o atual presidente tem 49,5% contra 49,3% dos votos (diferença de 12.765 votos), com 99% das urnas computadas. Na Pensilvânia (50,2% para Trump e 48,7% para Biden), a vantagem em número absolutos de votos é maior - 97.924 votos. No entanto, ela já chegou a ser de mais de meio milhão de votos e vem caindo drasticamente desde que as cédulas enviadas antecipadamente pelos correios começaram a ser contadas. Faltam 12% das urnas a serem apuradas no estado. Por fim, na Carolina do Norte, onde Trump lidera por 50,1% a 48,7%, a diferença em votos é de 76,7 mil votos, com 94% das urnas apuradas. Neste estado, uma virada democrata é mais difícil
17h20min - Greta Thunberg chama Trump de ridículo e diz para ele assistir “um bom filme à moda antiga”: A ativista ambiental Greta Thunberg foi ao Twitter comentar o pedido do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, de que os votos na eleição presidencial do país parem de ser contados. “Tão ridículo. Donald precisa resolver seu problema de controle da raiva e depois assistir a um bom filme à moda antiga com um amigo! Calma Donald, calma!”, escreveu a adolescente sueca.
17h05min - Ativista do Black Lives Matter é eleita para a Câmara: A ativista Cori Bush, membro do movimento Black Lives Matter (Vidas Negras Importam), foi eleita pelo Partido Democrata para a Câmara de Representantes pelo primeiro distrito de Missouri, nos Estados Unidos. Com isso, Cori se torna a primeira mulher negra a representar o estado no Congresso.
17h - Biden acena para união nacional: O candidato democrata à presidência dos EUA, Joe Biden, voltou a sinalizar que, se eleito, irá apostar em um governo de união nacional, após uma eleição profundamente dividida. "Deixe-me ser claro: fiz campanha como um democrata orgulhoso, mas governarei como um presidente americano", escreveu em sua conta no Twitter.
16h30min - Governo da Pensilvânia diz que “definitivamente” pode anunciar resultado final ainda nesta quinta-feira (5): Estado-chave na definição de quem será o próximo presidente dos Estados Unidos, a Pensilvânia pode anunciar ainda nesta quinta-feira o resultado das eleições. A informação foi dada pela secretária de estado da Pensilvânia, Kathy Boockvar. “Creio que, definitivamente, podemos”, disse ao ser questionada pela CNN se o resultado poderia ser conhecido hoje. Conforme ela, cerca de 550 mil cédulas ainda estavam em processo de apuração. “É possível que algumas já tenham sido contadas, mas ainda não tenha sido computadas. Eu havia dito que teríamos a esmagadora maioria contada amanhã, mas parece que teremos a esmagadora maioria contada hoje”, concluiu. Até o momento, com 88% dos votos apurados, Donald Trump lidera na Pensilvânia com 50,3% dos votos, contra 48,6% de Biden. A diferença entre os dois, que já foi de mais de meio milhão de votos, agora é de 111.400.
16h - Trump tem nova derrota judicial, nesta vez no Michigan: A tarde desta quinta-feira (5) tem sido de derrotas na Justiça para a campanha de Donald Trump. Depois de não ter pedido aceito na Georgia e ter revés na Pensilvânia, dessa vez foi a Justiça do Michigan derrubar as pretensões republicanas. Um juiz do Tribunal de Reclamações de estado decidiu contra uma ação movida pela campanha de Trump sobre a contagem de votos por correspondência. Segundo o magistrado, a campanha do atual presidente falhou em apresentar seu caso.
15h45 - Nevada irá anunciar resultado da apuração de 51 mil votos na sexta-feira (6): Estado-chave para a definição das eleições norte-americanas, Nevada não deverá ter grandes novidades na atualização da apuração dos votos nesta quinta-feira (5). Conforme Joe Gloria, oficial eleitoral no Condado de Clark, onde fica a cidade de Las Vegas, a maior do Estado e com forte tendência pró-Biden, 51 mil cédulas 51.000 serão contadas nesta quinta-feira e os resultados dessa apuração serão divulgados às 10h (15h no horário de Brasília) de sexta-feira. No momento, Biden está ganhando em Nevada por 49,4% a 48,5% - 11,4 mil votos em favor do candidato democrata.
15h25min - Contagem de votos na Filadélfia é retomada: A Suprema Corte do estado da Pensilvânia anulou a decisão de um tribunal local que favorecia a campanha de Donald Trump. O republicano havia pedido para que sua equipe pudesse acompanhar a votação de perto. O tribunal local permitiu isso e a campanha de Biden recorreu à Suprema Corte estadual, o que interrompeu a apuração. Com a decisão da Suprema Corte da Pensilvânia anulando a decisão anterior, a contagem dos votos na cidade da Filadélfia já foi retomada.
15h05min - Biden pede paciência a apoiadores e diz se sentir bem com o cenário atual: Logo após o presidente e candidato republicano à reeleição Donald Trump falar em fraude, o postulante democrata à Casa Branca, Joe Biden, foi às redes sociais tranquilizar seus apoiadores. "Seja paciente, pessoal. Os votos estão sendo contados e nos sentimos bem onde estamos", publicou no Twitter. 
14h45min - "PAREM A FRAUDE!", diz Trump: O presidente norte-americano, Donald Trump, segue acelerado nas redes sociais. Em sua última publicação no Twitter, escreveu, em letras maiúsculas, "parem a fraude". Com a possibilidade cada vez maior de uma derrota nas urnas, Trump tem apelado para uma retórica de fraude eleitoral, indicando que não irá aceitar o resultado eleitoral.
14h45min - Vantagem de Trump na Georgia cai para apenas 13,5 mil votos: A vantagem de Donald Trump no estado da Georgia segue caindo. Na última atualização da apuração, perto das 14h30min (horário de Brasília) a diferença em favor do candidato republicano caiu para somente 13.539 votos - 0,2 ponto percentual. Faltando cerca de 1% dos votos a serem apurados, Trump lidera com 49,5% contra 49,3% de Biden.
14h35min - Biden amplia vantagem em Nevada: A apuração dos votos no estado de Nevada segue lenta, mas teve um pequeno avanço por volta das 14h (horário de Brasília). O candidato democrata, Joe Biden, aumentou de 8 mil para 10,8 mil votos sua vantagem sobre o republicano Donald Trump. Com 76% dos votos apurados, Biden vence em Nevada por 1 ponto percentual: 49,5% a 48,5%. Quem vencer no estado fatura 6 delegados no colégio eleitoral.
14h25min - Filadélfia suspende contagem de votos pelo correio: A contagem de votos enviados pelo correio na cidade da Filadélfia, a maior do estado da Pensilvânia, foi suspensa temporariamente. Conforme a imprensa dos EUA, o Partido Democrata ingressou na Suprema Corte do estado para reverter decisão de um tribunal local que permitiu que observadores da campanha de Donald Trump assistissem a apuração.
14h05min - Juiz da Georgia rejeita processo de Trump contra apuração no estado: A imprensa norte-americana noticia que um juiz do estado da Georgia rejeitou o processo da campanha de Donald Trump e do Partido Republicano, que alegava que os funcionários eleitorais do condado de Chatham contaram indevidamente os votos de ausentes recebidos após o prazo final do estado.
13h50min - Georgia pretende terminar apuração nesta quinta-feira (5): O estado da Georgia prevê que irá terminar de contar os votos da eleição presidencial norte-americana ainda nesta quinta-feira (5). A informação foi dada por Gabriel Sterling, diretor de operações do gabinete do secretário de estado da Geórgia. "Prevemos passar por esse processo hoje", afirmou ele, conforme a rede de televisão NBC. Por volta de 60 mil votos ainda precisam ser apurados no estado.
13h30min - Trump fala em fraude eleitoral e diz que vencerá a eleição: O presidente dos EUA e candidato à reeleição pelo Partido Republicano, Donald Trump, segue usando sua retórica de confronto para deslegitimar uma possível vitória do seu adversário, o democrata Joe Biden. Em sua última manifestação no Twitter, Trump afirmou que irá vencer o pleito. "Todos os recentes Estados reclamados por Biden serão legalmente contestados por nós por fraude eleitoral e fraude eleitoral estadual. Muitas provas - basta verificar a mídia. NÓS GANHAREMOS! América primeiro!", disse o presidente. Trump se refere aos Estados do Michigan - onde sua derrota já foi declarada - e da Pensilvânia e da Georgia, onde os votos senguem sendo apurados. 
13h20min - Estado da Georgia ainda precisa contar 60 mil votos: O secretário de Estado da Geórgia, Brad Raffensperger, afirmou, por volta das 13h (horário de Brasília), que ainda falta contar cerca de 60 mil votos no estado. No momento, a vantagem de Donald Trump sobre Joe Biden na Georgia é de 18.146 votos. O estado dá 16 delegados no colégio eleitoral para quem vencer no voto popular.
12h20min - Líder supremo do Irã "corneteia" eleição confusa nos EUA: A confusa eleição norte-americana rendeu uma "corneta" de um inimigo declarado do governo dos Estados Unidos. O aiatolá Ali Khamenei, líder supremo do Irã, foi ao Twitter tripudiar sobre a dificuldade em se declarar um vencedor na disputa presidencial dos EUA. "Que espetáculo! Um diz que esta é a eleição mais fraudulenta da história dos Estados Unidos. Quem diz isso? O presidente que está atualmente no cargo. Seu rival (Joe Biden) diz que Trump pretende fraudar a eleição! É assim que as eleições e a democracia dos EUA são", escreveu.
12h - Biden corta vantagem de Trump na Georgia: O candidato do Partido Democrata à presidência dos Estados Unidos, Joe Biden, reduziu a vantagem do atual presidente, Donald Trump, no estado da Georgia, que dá ao vencedor no voto popular 16 delegados no colégio eleitoral. No momento, Biden está apenas 18.148 votos atrás de Trump, faltando cerca de 4% dos votos a serem apurados.
11h45min - Biden rebate Trump e cobra contagem de todos os votos: Em resposta à postagem de Donald Trump, que exigiu que os votos parem de ser contados, o candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, também foi ao Twitter, mas para cobrar a contagem total dos votos enviados pelo correio antecipadamente, que são, em sua maioria, os que ainda estão sendo computados. "Cada voto tem de ser contado", escreveu Biden junto com um vídeo curto. Grande parte dos votos enviados antecipadamente são de apoiadores do democrata, que responderam ao pedido da campanha de Biden para que enviassem seus votos antes do dia oficial da eleição.
11h30min - Em tom de desespero, Trump exige fim da contagem de votos: O presidente dos EUA e candidato à reeleição Donald Trump foi ao Twitter na manhã desta quinta-feira (5) exigir que a contagem dos votos seja interrompida. "PAREM A CONTAGEM!", publicou o republicano na rede social. O presidente está na frente nos estados da Georgia, da Pensilvânia e da Carolina do Norte, mas Biden está muito próximo de obter a virada na Georgia e se aproxima cada vez mais na Pensilvânia. A esperança de Trump é, se vencer nestes três estados, mesmo perdendo em Nevada, judicializar a disputa e tentar reverter o resultado em algum dos locais em que perdeu na apuração inicial.
10h50min - Campanha de Biden lança site de transição de governo: Ainda que os votos sigam sendo contados e que nenhum dos dois candidatos tenha sido declarado vencedor, a campanha do democrata Joe Biden colocou no ar na noite de quarta-feira (4) o site do seu governo de transição (https://buildbackbetter.com/). O democrata, em um texto curto na capa do site, destaca, porém, que isso não significa que está cantando vitória antes da hora. "O povo americano determinará quem será o próximo presidente dos Estados Unidos. Os votos ainda estão sendo contados em vários estados do país. As crises que o país enfrenta são graves - de uma pandemia a uma recessão econômica, das mudanças climáticas à injustiça racial - e a equipe de transição continuará se preparando a toda velocidade para que o governo Biden-Harris possa começar a trabalhar no primeiro dia", diz o texto curto.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/11/05/206x137/1_biden_lanca_site_de_transicao_de_governo-9181155.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5fa3f9e06aebe', 'cd_midia':9181155, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/11/05/biden_lanca_site_de_transicao_de_governo-9181155.jpg', 'ds_midia': 'Campanha de Joe Biden lança site de transição de governo', 'ds_midia_credi': 'Reprodução/JC', 'ds_midia_titlo': 'Campanha de Joe Biden lança site de transição de governo', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '332', 'align': 'Left'}
9h55min - Com campanha de R$ 66 milhões, Kanye West faz 60 mil votos como candidato à presidente: A candidatura do rapper Kanye West à presidência dos Estados Unidos nunca foi levada à sério pela imprensa norte-americana. Possivelmente, nem por ele foi levada à sério. No entanto, o rapper abriu a carteira. Segundo os jornais britânicos The Sun e The Mirror, o marido de Kim Kardashian gastou por volta de 6 milhões de libras na campanha (R$ 66 milhões) para conquistar os 60 mil votos que recebeu.
9h30min - Campanha de Trump aponta supostas irregularidades na contagem de votos na Geórgia: A campanha do presidente Donald Trump pediu à Justiça que os funcionários eleitorais da Geórgia sigam a lei de armazenamento e contagem de ausentes na eleição presidencial. O objetivo é apontar supostas irregularidades na contagem de votos no Estado - um dos relevantes para a vitória no Colégio Eleitoral e que ainda não têm uma definição de resultado.
9h15min - Manifestantes anti-Trump são presos em NY: Ao menos 30 manifestantes que participaram de um protesto contra o presidente Donald Trump foram presos em Manhattan, Nova Iorque, na noite dessa quarta-feira (4), após contrariarem ordem de dispersão da polícia local. Os manifestantes exigem a contagem total dos votos, inclusive daqueles que chegarem até a sexta-feira, mas foram postados antes do fechamento das urnas.
4/11
22h50min - No dia em que os EUA saem oficialmente do Acordo de Paris, Biden garante retorno do país ao compromisso ambiental: Os Estados Unidos deixaram nesta quarta-feira (4), oficialmente, o Acordo de Paris, documento que trata sobre mudanças climáticas, e traça metas de redução na emissão de gases de efeito estufa. O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, afirmou, em sua conta no Twitter, que o país voltará a fazer parte do compromisso global caso ele seja eleito. "Hoje, a administração Trump deixou oficialmente o Acordo Climático de Paris. E em exatamente 77 dias, um governo Biden se reunirá a ele", afirmou.
22h - Caminho para recorrer à Suprema Corte é longo e falta base legal: Se Donald Trump cumprir as ameaças que tem feito e for à Suprema Corte se contrapor ao resultado da apuração de alguns estados, pode agravar e alongar a instabilidade política no país, podendo ocasionar, inclusive, casos de violência nas ruas.
21h - Mesmo difícil, Biden já vislumbra virada na Georgia: De impossível, uma virada de Joe Biden no estado da Georgia passou para improvável e, agora, já é vista como possível. O estado que dá para o vencedor no voto popular 16 delegados no colégio eleitoral, tem 94% de votos apurados. Donald Trump lidera com 50% contra 48,8% de Biden. A diferença entre os dois é de 57,2 mil votos em favor do republicano. Para virar a disputa, o candidato democrata precisa obter entre 65% e 67% dos votos restantes. Em favor de Biden, está o fato de que os dois condados que ainda não terminaram a apuração são liderados com folga por ele. No condado de Fulton, onde fica a cidade de Atlanta, o democrata está ganhando por 72% a 26,8%. Já no condado de DeKalb, a vantagem de Biden é ainda maior: 83,1% a 15,8%.
20h15min - Diferença pró-Trump despenca na Pensilvânia e está em 4,5 pontos percentuais: A preocupação de Donald Trump com a apuração na Pensilvânia tem um motivo. No início da manhã desta quarta-feira (4), o republicano tinha uma vantagem de cerca de 12 pontos percentuais sobre o seu adversário, o democrata Joe Biden. Agora, às 20h10min (horário de Brasília), a diferença em favor do atual presidente caiu para 4,5 pontos percentuais (51,7% a 47,2%). A mudança no quadro se dá em razão da apuração dos votos enviados antecipadamente pelo correio. A grande parte dos eleitores que votou antes escolheu Biden. Por isso. mesmo estando atrás desde o início da apuração, os democratas acreditam em uma virada no estado. No momento, 87% dos votos na Pensilvânia já foram apurados.
19h45min - 264 x 214: O cenário atual da disputa presidencial nos Estados Unidos é totalmente favorável ao candidato Joe Biden. A FoxNews, canal declaradamente apoiador de Trump, aponta 264 delegados conquistados pelo democrata, precisando de apenas mais seis - que podem vir com uma vitória no estado de Nevada, onde ele lidera - para vencer a corrida eleitoral. Quatro estados ainda seguem indefinidos. Na Pensilvânia, na Carolina do Norte e na Geórgia, Trump lidera, mas existe a possibilidade de uma virada de Biden.
19h25min - Vitória em Michigan deixa Biden próximo da Casa Branca: Com a vitória no Michigan, e a conquista de mais 16 delegados no colégio eleitoral, o democrata Joe Biden fatura dois importantes estados do "cinturão da ferrugem", área industrial, e fica a uma vitória no estado de Nevada para chegar aos 270 votos no colégio eleitoral.
19h15min - Trump reforça discurso de não aceitar derrota: Com a Casa Branca ficando cada vez mais longe, com as derrotas nos estados do Wisconsin e Michigan, o presidente dos EUA, Donald Trump, está reforçando sua retórica conspiracionista, apostando na tese de fraude na apuração dos votos e deixando claro que não irá aceitar uma derrota nas eleições presidenciais. Em duas novas publicações no Twitter, Trump se disse vencedor nos estados da Pensilvânia, da Carolina do Norte, da Georgia - todos os três com situação indefinida -, e do Michigan, com vitória de Biden declarada pela imprensa do país.
19h - Biden enfatiza confiança na vitória e faz chamado por união nacional: Joe Biden, candidato democrata à Casa Branca, fez um pronunciamento de cerca de cinco minutos por volta das 18h10min (horário de Brasília) desta quarta-feira (4), no qual reforçou a confiança na vitória no pleito e fez um chamado pela união nacional após o processo eleitoral.
18h35min - Biden vence no Michigan, aponta rede NBC: A rede te televisão NBC é a primeira dos Estados Unidos a apontar vitória do candidato democrata Joe Biden no estado do Michigan, faturando, assim, mais 16 delegados no colégio eleitoral e se aproximando da marca mágica dos 270 delegados necessários para ser eleito presidente norte-americano. Com a conquista no Michigan, Biden chegaria a 264 votos, faltando apenas seis para os 270, número que viria com uma vitória provável no estado de Nevada, onde ele lidera por margem apertada de 0,6 ponto percentual.
17h50min - Faltando mais de 1 milhão de votos a serem apurados no estado, Secretária de Imprensa da Casa Branca declara vitória de Trump na Pensilvânia: A Secretária de Imprensa da Casa Branca, Kayleigh McEnany, declarou vitória de Donald Trump no estado da Pensilvânia. Ela postou no Twitter que o republicano venceu, ainda que faltem mais de 1 milhão de votos a serem computados no Estado. Segundo especialistas, a estratégia de declarar a vitória antecipadamente se dá para justificar a judicialização da disputa após a conclusão da apuração.
17h40min - Biden ultrapassa Obama e se torna o candidato à presidência mais votado da história dos EUA: O candidato democrata à Casa Branca, Joe Biden, ainda não pode celebrar a vitória nas eleições presidenciais norte-americanas, mas, uma marca ele já bateu: ele é o candidato à presidência do aís que obteve a maior quantidade de votos da população em uma eleição. Com, até agora, 69.919.185 votos, Biden ultrapassou os 69.498.516 votos conquistados por Barack Obama em 2008. Por volta de 87% dos votos já foram apurados na eleição atual.
17h10min - Com derrota próxima, advogado de Trump fala em "roubalheira em massa" na Pensilvânia: A vitória de Joe Biden no Wisconsin e a cada vez mais provável vitória no Michigan aproximaram o candidato democrata da Casa Branca. Como já era esperado, o presidente Donald Trump e sua equipe começaram a lançar dúvidas sobre o processo eleitoral, falando em fraudes, e sinalizando cada vez mais que não irá aceitar a derrota nas urnas. O advogado pessoal de Trump, e ex-prefeito de Nova Iorque, Rudolph Giuliani, publicou no Twitter que está a caminho do estado de Filadélfia, na Pensilvânia onde, segundo ele, houve "roubalheira em massa". A Pensilvânia garante 20 delegados para o candidato vencedor. No momento, Trump está na frente com 52,8% dos votos, contra 46% de Biden. A diferença de votos entre os dois está em 398,6 mil votos, com 82% dos votos apurados.
16h50min - Campanha de Trump pede paralisação da contagem dos votos no Michigan: A campanha de Donald Trump entrou com um pedido no Tribunal de Reivindicações do Michigan para suspender a contagens dos votos da eleição no estado, alegando que não teve "acesso significativo" a alguns locais de apuração.
16h45min - Vitória no Michigan pode definir novo presidente dos EUA: Com a confirmação da vitória no estado de Wisconsin, faturando os 10 votos no colégio eleitoral, o resultado da apuração no estado do Michigan pode definir a vitória de Joe Biden na eleição presidencial norte-americana. Se conquistar os 16 delegados do estado - e confirmar a vitória provável em Nevada - o democrata obtém os 270 delegados necessários para vencer a disputa no colégio eleitoral. A apuração no Michigan está em 94%, e andando lentamente. No momento, Biden tem 49,5% dos votos contra 48,8% de Donald Trump. A diferença entre os dois é de 37.350 votos em favor do democrata.
16h15min - CNN aponta vitória de Biden no Wiscosin: A rede de notícias CNN apontou vitória do candidato Joe Biden no estado de Wiscosin. Com a vitória, o democrata fatura 10 votos no colégio eleitoral e fica a uma vitória no Michigan para obter os 270 delegados necessários para vencer o pleito.
16h10min - Possível derrota faz Trump elevar tom sobre fraudes: Com a cada vez mais próxima confirmação da vitória do democrata Joe Biden nos estados do Wiscosin e do Michigan, o que lhe garantiria a vitória no colégio eleitoral, o presidente Donald Trump, candidato á reeleição, disparou sua metralhadora de acusações sobre fraudes no processo eleitoral. "Eles estão trabalhando duro para fazer desaparecer a vantagem de 500.000 votos na Pensilvânia - o mais rápido possível. Da mesma forma, Michigan e outros!", publicou no Twitter, em postagem ocultada pela plataforma por ter "alguns ou todos os conteúdos (...) contestáveis e com informações incorretas".
15h55min - Disputa pelo Senado está empatada: A disputa pelo Senado dos EUA está deixando a Casa dividida. Os americanos elegem nesta eleição 35 dos 100 senadores. Neste momento os democratas têm 47 cadeiras, mesmo número que os republicanos. Há ainda outros 6 lugares em disputa.
15h30min - Apuração em Michigan e Wiscosin se aproxima do fim e Biden está perto da vitória: A eleição para a presidência dos Estados Unidos caminha lentamente para o fim, e os resultados de dois estados podem definir quem irá ocupar a Casa Branca nos próximos quatro anos. Se confirmar as vitórias parciais em Michigan (94% dos votos apurados) e Wisconsin (99% dos votos apurados), o democrata Joe Biden alcançará os 270 delegados no colégio eleitoral e vencerá o pleito. No entanto, o atual presidente Donald Trump deverá pedir recontagem de votos em estados com disputa apertada, além de judicializar o pleito em razão dos votos pelo correio.
15h05min - Equipe de campanha de Trump diz que pedirá recontagem de votos em Wiscosin imediatamente: O gerente de campanha do republicano Donald Trump, Bill Stepien, anunciou que irá pedir recontagem de votos "imediatamente" no estado de Wiscosin. “Tem havido relatos de irregularidades em vários condados de Wisconsin, que levantam sérias dúvidas sobre a validade dos resultados. O presidente está bem dentro do limite para solicitar uma recontagem e faremos isso imediatamente”, diz o comunicado. Com 99% das urnas apuradas no estado. Joe Biden vence por 49,4% a 48,8% - uma diferença de pouco mais de 20 mil votos.
14h45min - Contestação do resultado pode gerar violência e instabilidade social, diz Eurasia: Consultoria de risco Eurasia aponta que possível contestação dos resultados da eleição presidencial nos Estados Unidos pode provocar consequências danosas para o país, incluindo violência nas ruas das grandes cidades, instabilidade social e a visão do vencedor como ilegítima.
14h10min - Donald Trump aponta votos para Biden "em todos os lugares": O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, que busca a reeleição, publicou uma mensagem em sua conta no Twitter que pode indicar uma tendência de derrota do candidato republicano, além de uma sugestão de suspeita a respeito da apuração. "Eles estão encontrando votos de Biden em todos os lugares - na Pensilvânia, Wisconsin e Michigan. Tão ruim para o nosso país!", disse Trump.
13h55min - Apuração encerrada em Wiscosin: Em entrevista à rede NBC de televisão, a diretora da Comissão Eleitoral de Wisconsin, Meagan Wolfe, afirmou que "todas as cédulas de fato foram contadas". Nos últimos números divulgados, com 97% dos votos computados, Joe Biden estava na frente, com cerca de 20,6 mil votos de vantagem. O Wiscosin concede ao vencedor 10 delegados no colégio eleitoral.
13h25min - Em eleição acirrada e com antecipação do voto, participação nos EUA deve ser a maior em 120 anos: Segundo o US Elections Project, que monitora o índice, a participação de eleitores nas eleições presidenciais deste ano deve bater os 160 milhões. Se o número se confirmar, terão votado 67% dos norte-americanos aptos a fazê-lo, um percentual histórico em um país onde o voto não é obrigatório.
13h - Cenário atual favorece Biden: Se as eleições norte-americanas terminassem com os resultados indicados pelo cenário do momento, o democrata Joe Biden venceria o pleito. No momento, às 13h (horário de Brasília), Biden está levando os estados de Nevada (67% dos votos apurados), Wiscosin (95% dos votos apurados) e Michigan (96% dos votos apurados). Se faturar esses três estados, o democrata leva mais 32 delegados e chega aos 270 necessários para ser eleito. 
12h40min - Enquanto ocorre a apuração dos votos, mundo espera resultado das eleições: Um dia depois de os norte-americanos terem votado em uma eleição acirrada, o restante do mundo aguarda ansioso, nesta quarta-feira, pela contagem de milhões de votos, diante de um risco crescente de dias ou mesmo semanas de incerteza jurídica.
12h30min - Como funciona o sistema eleitoral dos Estados Unidos? O formato das eleições dos Estados Unidos comumente causa dúvidas aos brasileiros, tendo em vista que o sistema de governo adotado é diferente daqui. Ainda que ambos os países sejam repúblicas federativas presidencialistas, com presidentes eleito democraticamente, as semelhanças são poucas, a começar pela forma que essas figuras são escolhidas.
12h05min - Biden abre 2,4 milhões de votos de vantagem sobre Trump no voto popular: Conforme atualização em tempo real do canal FoxNews, o candidato democrata Joe Biden tem 2,4 milhões de votos a mais do que Donald Trump - 69,458 milhões contra 67,005 milhões. No entanto, apesar de fundamental, a vitória no voto popular não é definitiva para definir quem vence a eleição, na medida em que, no sistema eleitoral norte-americano, vence quem obtiver mais delegados no colégio eleitoral.
11h40min - Com Biden em vantagem, Nevada suspende atualização dos resultados: Autoridades eleitorais de Nevada anunciaram que a atualização dos resultados da eleição presidencial no estado estão suspensas até a manhã de quinta-feira (5).
11h30min - Democratas ou Republicanos: quem teve mais presidentes nos EUA? Os  Estados Unidos já tiveram 45 presidentes, com os maiores partidos monopolizando a disputa entre eles.
11h - Biden vira em Michigan faltando 6% de votos a serem apurados: Pela primeira vez, desde o início da apuração na noite de terça-feira (3), o candidato democrata, Joe Biden, assumiu a liderança na apuração dos votos. O estado é um dos chave para a eleição norte-americana, e dá ao vencedor 16 votos no colégio eleitoral
10h45min - Acompanhe o mapa da apuração dos votos: As eleições norte-americanas são decididas pelos resultados nos estados, e não nacionalmente como no Brasil. Assim, cada vitória em cada estado é comemorada pelos candidatos, pois significa mais votos no colégio eleitoral.
10h - Apuração indica disputa equilibrada e Meio-Oeste decisivo como em 2016: O início da apuração da eleição norte-americana mostrou que a disputa entre o presidente Donald Trump e o democrata Joe Biden está mais acirrada do que se previa, com o Meio-Oeste novamente decisivo. 
9h45min - Vitória de Trump na Flórida repete 2016: Com 96% das urnas apuradas na Flórida, Trump conseguiu 51,2% dos votos no estado que era seu tudo ou nada, segundo o New York Times, o que fez o presidente ganhar musculatura na disputa.
9h15min - Campanha de Biden diz que declaração de Trump é 'ultrajante' e que apuração 'não vai parar': A campanha de Joe Biden classificou como "ultrajantes, sem precedentes e incorretas" as declarações do presidente Donald Trump que, na madrugada desta quarta-feira (4), declarou-se vencedor da eleição americana, mesmo antes do encerramento da apuração.
8h05min - Trump declara vitória e fala em fraude: No meio da apuração, ainda sem a totalização dos votos, o presidente americano, Donald Trump, disse que venceu as eleições e irá à Suprema Corte para interromper a contagem de votos. "Isso é uma fraude. É uma vergonha para o nosso país. Francamente, nós ganhamos esta eleição", disse. "Nós vamos à Suprema Corte." O momento de revolta ocorreu logo após o discurso do adversário, o democrata Joe Biden, que demonstrou otimismo na vitória.
Comentários CORRIGIR TEXTO