Porto Alegre, segunda-feira, 08 de fevereiro de 2021.

Jornal do Comércio

Porto Alegre,
segunda-feira, 08 de fevereiro de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Urbanismo

- Publicada em 15h59min, 26/01/2021. Atualizada em 10h53min, 08/02/2021.

Esqueletão de Porto Alegre: prefeitura aguarda emissão de novo mandado de desocupação

Laudo afirma que o imóvel localizado no Centro da Capital corre risco de desabar

Laudo afirma que o imóvel localizado no Centro da Capital corre risco de desabar


ALEX ROCHA/PMPA/DIVULGAÇÃO/JC
Roberta Mello
Há pelo menos 20 dias, a prefeitura de Porto Alegre aguarda a expedição de um novo mandado judicial para a desocupação total do prédio Galeria XV de Novembro.
Há pelo menos 20 dias, a prefeitura de Porto Alegre aguarda a expedição de um novo mandado judicial para a desocupação total do prédio Galeria XV de Novembro.
Conhecido como Esqueletão, o prédio de 19 andares que se ergue com fisionomia assustadora no coração do Centro Histórico, na esquina da rua Floriano Peixoto com a avenida Otávio Rocha, preocupa não só pela questão estética.
Já há decisão judicial, de dezembro de 2019, favorável à desocupação do local, porém o procedimento, iniciado em março do ano passado, teve que ser suspenso em função da pandemia de Covid-19. No início deste ano, um novo pedido de desocupação do Esqueletão foi movido pela atual gestão da prefeitura. 
Segundo o secretário de Planejamento e Assuntos Estratégicos do município, Cézar Schirmer, dar um novo fim a este espaço faz parte de um tripé de ações no curto prazo para a recuperação do Centro Histórico da Capital. 
Entre as obras consideradas mais importantes está, ainda, a reforma da Fonte Talavera de la Reina, monumento em frente ao prédio da prefeitura na Praça Montevideo, um presente oferecido pela colônia espanhola à cidade em 1935. Além disso, Schirmer tem pela frente o desafio de finalizar a reforma do Mercado Público. 
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/12/30/206x137/1_cezar_schirmer-9221162.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5fecffbdc0aed', 'cd_midia':9221162, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2020/12/30/cezar_schirmer-9221162.jpg', 'ds_midia': 'Cezar Schimer', 'ds_midia_credi': '/DIVULGAÇÃO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Cezar Schimer', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '532', 'align': 'Left'}
Cézar Shirmer diz que dar um novo fim ao espaço do Esqueletão é uma das prioridades da gestão Foto: Luiza Prado/JC
No novo pedido de desocupação do Esqueletão, a prefeitura garante que irá realizar pagamento de auxílio-moradia à população em situação de vulnerabilidade social que vive no local. Segundo Schirmer, "é melhor para essas pessoas saírem de lá" tendo em vista que o imóvel corre risco de desabamento.
Além disso, a Procuradoria Geral do Município (PGM) ainda enfrenta dificuldade para localizar os proprietários das salas, a maioria completamente vazias e inacabadas. Mesmo assim, Schirmer garante que a saída para esse imbróglio não deve tardar.
Ao assumir o cargo, o prefeito Sebastião Melo determinou que houvesse uma solução definitiva. A ação imediata é a desocupação, pelo risco que o prédio representa. Depois, quanto à destinação que será dada, a decisão deverá estar embasada em laudos aprofundados e conclusivos, que indiquem para a demolição ou recuperação do imóvel. "O que não pode é ficar como está", afirma Schirmer. 
O edifício foi declarado imóvel de utilidade pública pelo prefeito Nelson Marchezan Júnior. Com o decreto, a prefeitura pode dar a destinação adequada ao imóvel: terminar a construção e fazer a revitalização para corrigir problemas e torná-lo habitável ou possível para uso comercial ou, o mais provável, fazer a demolição.
{'nm_midia_inter_thumb1':'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/08/01/206x137/1_mc010818_predio_demolicao__41_-8422237.jpg', 'id_midia_tipo':'2', 'id_tetag_galer':'', 'id_midia':'5b6237983e074', 'cd_midia':8422237, 'ds_midia_link': 'https://www.jornaldocomercio.com/_midias/jpg/2018/08/01/mc010818_predio_demolicao__41_-8422237.jpg', 'ds_midia': 'Ministério Público do Rio Grande do Sul pediu a demolição do Edifício Galeria XV de Novembro, popularmente conhecido como ENTITY_quot_ENTITYEsqueletãoENTITY_quot_ENTITY', 'ds_midia_credi': 'MARIANA CARLESSO/JC', 'ds_midia_titlo': 'Ministério Público do Rio Grande do Sul pediu a demolição do Edifício Galeria XV de Novembro, popularmente conhecido como ENTITY_quot_ENTITYEsqueletãoENTITY_quot_ENTITY', 'cd_tetag': '1', 'cd_midia_w': '800', 'cd_midia_h': '533', 'align': 'Left'}
Vistoria aponta que há risco de desabamento do imóvel. Foto: Mariana Carlesso/Arquivo/JC
Vistoria realizada por técnicos da prefeitura em 2019 produziu avaliação técnica concluindo que a edificação inacabada oferece grau de risco crítico, causado pela degradação permanente e por problemas de corrosão. Sobre a estabilidade, somente laudo estrutural de nível 3 pode atestar se há segurança e viabilidade de término da construção ou se o prédio precisa ser demolido. 
Na decisão que determinou a desocupação total do prédio, o juiz Eugênio Couto Terra, da 10ª Vara da Fazenda Pública, considerou os riscos para os ocupantes do prédio e para as pessoas que circulam na galeria e nas imediações. Ressaltou que “a situação é grave e que o seu prolongamento aumenta o risco de dano”. 
Levantamento realizado pela Fundação de Assistência Social e Cidadania (Fasc) em janeiro de 2020 identificou 45 ocupantes, entre comerciantes e moradores. Os moradores são proprietários ou inquilinos que pagam aluguéis. As reuniões prévias com os ocupantes para a desocupação se iniciaram em março do ano passado, mas precisaram ser suspensas em virtude das medidas de contenção à pandemia. Para a retomada do plano de desocupação, o Município propôs ao Judiciário atendimento individualizado para os ocupantes já cadastrados e identificados como em situação de vulnerabilidade social.

Construção está inacabada há quase 70 anos

Com uma área superior a 13 mil metros quadrados, o edifício começou a ser construído na década de 1950 pela Sociedade Brasileira e nunca foi concluído. Dos 19 pavimentos construídos, os três primeiros são ocupados por moradias, algumas em situação precária, e os demais estão vazios. No térreo, há um centro comercial, com lojas de proprietários e inquilinos.
De acordo com avaliação da Secretaria Municipal da Fazenda (SMF), o valor do imóvel é de cerca de R$ 3,4 milhões. Só em impostos, a dívida supera R$ 1,7 milhão, sendo que a maior parte já está em cobrança judicial.
A prefeitura buscou ao longo do tempo solucionar o caso, com ações administrativas que envolveram fiscalização e interdições. A primeira delas foi em 1988. Na época, obteve interdição judicial parcial.
Em 2003, o Município ingressou com ação civil pública pedindo a interdição e a desocupação da Galeria XV de Novembro. Em 2005, o Município voltou a interditar andares e salas desocupados, cumprindo decisão judicial. Em dezembro de 2019, foi editado o Decreto 20.395, que declarou o imóvel de utilidade pública para fins de desapropriação.
Comentários CORRIGIR TEXTO