Vinicius, fundador da Agência de Fomento 
Social Besouro, lançou o projeto Ressocializa Vinicius, fundador da Agência de Fomento Social Besouro, lançou o projeto Ressocializa Foto: /MARCO QUINTANA/JC

Projeto ensina ex-apenados a empreenderem em Porto Alegre

O Ressocializa começou esse ano e formou 11 pessoas

Vinicius Mendes Lima toca, em Porto Alegre, um projeto que ajuda ex-apenados a se recolocarem no mercado de trabalho através do empreendedorismo. O Ressocializa começou em julho deste ano e já formou 11 pessoas.
Referência em empreendedorismo social pela autoria do livro A riqueza das favelas: o empreendedorismo entre morros e vielas, Vinicius diz que o Ressocializa contribui para a qualidade de vida de pessoas que merecem uma segunda chance. Saiba mais sobre a iniciativa na conversa abaixo.
GeraçãoE - Qual a ideia do projeto Ressocializa?
Vinicius Mendes Lima - O intuito principal da capacitação é estimular a ressocialização dos presos dos regimes aberto e semiaberto de penitenciárias, por meio do ensino do empreendedorismo pelo método By Necessity, o qual ensina a abrir um negócio partindo do zero, com baixo ou nenhum custo. Diferentemente de outros projetos que promovem a volta do indivíduo ao mercado de trabalho sendo empregado, este projeto propõe a retomada da geração de renda a partir da criação do próprio negócio, sendo empreendedor. Além disso, por eles serem ex-presidiários, o mercado não vê com bons olhos as suas contratações. Somado a isso, ainda há a crise econômica, que interfere negativamente pelo fato de haver um número muito baixo de vagas de emprego disponíveis. Assim, a ideia é propor uma solução para essas questões a partir da abertura da própria empresa.
GE - Por que decidiu olhar para esse público?
Vinicius - O total de pessoas encarceradas no Brasil chegou a mais de 726 mil em junho de 2016, data do último Levantamento Nacional de Informações Penitenciárias. Só no Rio Grande do Sul, são quase 40 mil presos, a maior população carcerária até hoje, conforme dados da Superintendência de Serviços Penitenciários (Susepe). Com números tão altos como esses, é preciso olhar para essas pessoas. Mas não com aquele olhar estereotipado. Isso já acontece muito. Se não foi possível evitar que elas entrassem em uma cadeia, que pelo menos possam sair de lá diferentes, melhores. Acredito que é nossa responsabilidade também, como cidadãos da sociedade brasileira, darmos a nossa contribuição.
GE - Desde quando o projeto existe?
Vinicius - O Ressocializa começou a ser realizado neste ano de 2018, em julho. A primeira edição ocorreu na Fundação Patronato Lima Drummond, em parceira com a direção da fundação e da Susepe. A instituição é referência em reintegração social, por não existirem grades e grandes muros, e por promover qualificações para o enfrentamento do mundo pós-prisão. Foram 11 alunos que participaram da capacitação.
GE - Como funciona para participar?
Vinicius - Para participar, o apenado precisa estar cumprindo pena no regime aberto ou semiaberto, ter bom comportamento no período que está recluso e ter uma ideia de negócio. Além disso, o mais importante é ter vontade de empreender e querer ter uma vida diferente daquela que fez com que ele entrasse na prisão, com todas as oportunidades que o empreendedorismo traz.
Compartilhe
Seja o primeiro a comentar

Publicidade
Mostre seu Negócio