Porto Alegre, terça-feira, 22 de junho de 2021.
Dia do Aeroviário.
Porto Alegre,
terça-feira, 22 de junho de 2021.
Corrigir texto

Se você encontrou algum erro nesta notícia, por favor preencha o formulário abaixo e clique em enviar. Este formulário destina-se somente à comunicação de erros.

Saúde

- Publicada em 11h09min, 22/06/2021.

Conheça a vacina da Janssen que chegou nesta terça-feira ao Brasil

Imunizante é aplicado em dose única, o que pode acelerar a campanha de vacinação

Imunizante é aplicado em dose única, o que pode acelerar a campanha de vacinação


DIRK WAEM/Belga/AFP/JC
Juliano Tatsch
O primeiro lote de vacinas da Janssen contra a Covid-19 desembarcou na manhã desta terça-feira (22) no Brasil. A remessa com 1,5 milhão de doses chegou no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, e deve começar a ser distribuída aos estados ainda nesta semana. O imunizante era um dos que já havia tido pedido de uso no Brasil protocolado, mas ainda não estava sendo aplicado na população.
O primeiro lote de vacinas da Janssen contra a Covid-19 desembarcou na manhã desta terça-feira (22) no Brasil. A remessa com 1,5 milhão de doses chegou no aeroporto de Guarulhos, em São Paulo, e deve começar a ser distribuída aos estados ainda nesta semana. O imunizante era um dos que já havia tido pedido de uso no Brasil protocolado, mas ainda não estava sendo aplicado na população.
A partir de agora, a vacina da Janssen se une à Coronavac/Butantan, à AstraZeneca/Fiocruz e à Pfizer/Biontech como os imunizantes contra o novo coronavírus em uso no País.

Conheça mais sobre a vacina da Janssen:

Situação: aprovada pela Anvisa para uso emergencial no dia 31 de março, a vacina começará a ser aplicada no Brasil somente agora no mês de junho. Conforme o Ministério da Saúde, o contrato assinado com a farmacêutica prevê a entrega de 38 milhões de doses.
Público: indicada para indivíduos a partir dos 18 anos de idade
Eficácia: 66% contra casos moderados a graves e 85% somente contra casos graves
Como funciona: A Janssen é um braço farmacêutico da multinacional Johnson & Johnson. Sua vacina é semelhante à da AstraZeneca. A técnica utilizada faz uso do chamado vetor viral. Os cientistas utilizam um tipo de adenovírus que causa o resfriado comum. Ao serem modificados em laboratório, ele não se replica e, assim, não causa resfriado. Outra parte do processo envolve o código genético do próprio novo coronavírus. Ele possui em sua superfície externa uma espécie de coroa, formada pelos chamados “spikes”, que são os responsáveis pela ligação do vírus às células do corpo humano. Para produzir a vacina da Janssen, um pedaço da proteína “S”, presente nesses spikes, é colocado dentro do adenovírus, que funciona como vetor.
Quando a pessoa recebe a vacina que carrega a informação genética do novo coronavírus, o corpo inicia um processo de defesa e produz anticorpos contra o invasor. A resposta imunológica produzida por esse processo cria então uma memória no corpo contra o coronavírus e ensina o próprio corpo a reconhecer e atacar o vírus quando a pessoa entrar em contato com ele.
Diferentemente das vacinas em aplicação no Brasil, o imunizante da Janssen é aplicado em dose única, o que pode acelerar o ritmo da vacinação da população.
Comentários CORRIGIR TEXTO
Conteúdo Publicitário